A reciprocidade dos sentidos compartilhados: ideias para humanizar as relações sociais no Ensino Superior

Palavras-chave: Percepção humana;, Relações sociais, Universidade, Pandemia

Resumo

Retomando os estudos do sociólogo alemão Georg Simmel (1858-1918) acerca das transformações da percepção humana na metrópole moderna, este artigo propõe uma reflexão em torno de problemas emergentes no contexto pandemia de Covid-19, sobretudo, aqueles que afetam diretamente as relações sociais nos espaços pedagógicos. Surgidas no interior de um curso de graduação em Musicoterapia de uma universidade pública brasileira, as ideias apresentadas aqui têm em mira a qualidade da vida psíquica e social de docentes e discentes que se depararam com uma crise sem precedentes, tendo que se adaptar ao Ensino Remoto Emergencial (ERE) em um curto espaço de tempo. Como forma de resistência e (re)existência neste cenário, propõe-se o compartilhamento de práticas e ações que cultivem as faculdades sensíveis e intelectuais do ser humano, as quais encontram acolhida privilegiada em cursos que conjugam artes e humanidades.

Referências

ANDRUETTO, María Teresa. A leitura, outra revolução. São Paulo: Edições SESC São Paulo, 2017.

BENJAMIN, Walter. “Experiência e pobreza”. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 114-119.

ELIAS, Norbert. A Sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ELIAS, Norbert. Escritos & Ensaios, 1: estado, processo, opinião pública. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “O olhar contido e o passo em falso”. In: GAGNEBIN, Jeanne Marie. Limiar, aura e rememoração: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014, p. 121-130.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio Guilherme (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973, p. 11-25.

Publicado
2021-09-15