Doença na recepção do mito de Filoctetes no Regime Militar brasileiro: “Ramom, o Filoteto Americano” de Carlos Henrique Escobar

Palavras-chave: Recepção, Ditadura Militar, Filoctetes, Doença

Resumo

No cruzamento entre história e teatro, o artigo analisa a peça “Ramom, o Filoteto Americano” (1975), de Carlos Henrique Escobar, escrita durante a Ditadura Militar brasileira e laureada no Concurso Nacional de Dramaturgia de 1975. Parte-se do conceito de recepção da antiguidade para entender como são utilizados elementos do mito grego em um contexto de repressão. O autor reelabora os principais elementos da tragédia “Filoctetes” de Sófocles para construir uma sensibilidade voltada às angústias que emergiam em um dos períodos mais repressores da Ditadura. O artigo demonstra como Ramom é um drama crítico que ressignifica a doença de Filoctetes. No corpo torturado de Ramom ecoam as mazelas de uma sociedade repressiva e colonizada. O artigo atenta para as possibilidades de investigação em uma peça complexa que aproveita a herança grega para explorar temas sensíveis da Ditadura e que pela radicalidade performática e ousadia não despertou a atenção dos censores.

Referências

Fontes

ESCOBAR, Carlos Henrique. Ramom, o Filoteto Americano. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro, 1976.

SÓFOCLES. Filoctetes. São Paulo: Odysseus, 2008.

Referências

BOYM, Svetlana. The future of nostalgia. New York: Basic Books, 2001.

CUCCORO, Corrato. Il mito classico nella drammaturgia di língua portoghese: i cicli argonautico, tebano e troiano. 179f. Doutorado em Estudos Humanísticos pela Università Cattolica del Sacro Cuore. Milano, 2017.

DAGIOS, Mateus. Pólis enferma: nósos e a representação do lógos sofístico nas tragédias Filoctetes de Sófocles e Orestes de Eurípides. 255f. Doutorado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019.

EASTERLING, Patricia Elizabeth. “Philoctetes” and Modern Criticism. Illinois Classical Studies, v. 3, p. 27-39, 1978.

FIGUEIREDO, César Alessandro. A Ditadura Militar no Brasil e o teatro: memória e resistência da classe artística. Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 6, n. 2, p. 7-27, 2015.

GALEANO, Eduardo. Las venas abiertas de América Latina. México: Siglo XXI Ediciones, 2006.

HALL, Edith. Introduction: why greek tragedy in the late twentieth century? In: HALL, Edith; MACINTOSH, Fiona; WRIGLEY, Amanda (Orgs.). Dionysus since 69: greek tragedy at the dawn of the third millennium. Oxford: Oxford University Press, 2004, p. 1-46.

HARDWICK, Lorna. Reception studies. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

HARDWICK, Lorna; STRAY, Christopher. A companion to classical receptions. [s.I.]: Blackwell Publishing, 2008.

JAMESON, Fredric. O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente simbólico. São Paulo: Ed. Ática, 1992.

JAUSS, Hans Robert. Pour une esthétique de la réception. Paris: Gallimard, 1978.

KOGAWA, João. Carlos Henrique de Escobar por ele mesmo: tragicidade e teoria do discurso. Diálogos, v. 18, n. 2, p. 927-942, maio/ago. 2014.

LAPLANTINE, François. Antropologia da doença. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

LORAUX, Nicole. The experiences of tiresias: the feminine and the greek man. Princeton: Princeton University Press, 1995.

MACIEL, Luiz Carlos. Teatro Anos 70. In: RISÉRIO, Antônio et al. Anos 70: trajetórias. São Paulo: Iluminuras; Itaú Cultural, 2005, p. 105-110.

MARTINDALE, Charles. Introduction: thinking through reception. In: MARTINDALE, Charles; THOMAS, Richard (Eds.). Classics and the uses of reception. Malden; Oxford: Blackwell, 2006, p. 1-13.

MICHALSKI, Yan. O Teatro sob pressão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do Regime Militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2019.

NUÑEZ, Carlinda. A mímesis astuciosa: paisagens míticas na literatura brasileira contemporânea. In: SANTOS, Ana Cristina Fonseca dos; BARBOSA, Tereza Virgínia Ribeiro (Orgs.). Cadernos VivaVoz: tradição e tradição na América Latina – v. 1. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011, p. 15-30.

RODRIGUES, Gabriel Rocha. A recepção da tragédia Antígona, de Sófocles, durante a ditadura militar de 1964. Porto Alegre: Armazém Digital, 2015.

SONTAG, Susan. Doença como metáfora: Aids e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SOUZA, Miliandre Garcia de. A gestão de Orlando Miranda no SNT e os paradoxos da “hegemonia cultural de esquerda”. Simpósio Nacional de História – ANPUH. Anais... São Paulo: ANPUH, 2011, p. 1-23.

TZIOVAS, Dimitris. Re-imagining the past: antiquity and modern greek culture. Oxford: Oxford University Press, 2014.

Publicado
2021-09-15