O vestuário como suporte de memória: uma breve discussão sobre as vivências em tempos de pandemia

Palavras-chave: Vestuário, Isolamento social, Quarentena, Pandemia

Resumo

O artigo tem como objetivo a discussão teórica a partir de uma abordagem macrossociológica acerca do tema sobre a relação de aconchego entre os sujeitos e o vestuário, bem como a percepção do “guarda-roupa enquanto caixa de memórias”. A discussão teórica desenvolvida foi pautada nos estudos das áreas de memória e identidade, através da perspectiva de Candau (2019), dos pressupostos psicana-líticos de Winnicott (1982), estudos norteadores da cultura material (Meneses, 1998; Dohmann, 2013) e do vestuário (Nacif, 2007; Miller, 2013). Relacionou-se tais pressupostos teóricos com os registros nos perfis da rede social Instagram analisados, os quais revelam a mudança das práticas do vestuário em meio ao cenário pandêmico. Conclui-se que as reflexões, nas quais nos apropriamos dos objetos pessoais que nos rodeiam, resultam na possibilidade de melhora individual, no contexto atual, por intermédio destes objetos.

Referências

ALEXANDRINO, Camila Anastacio. Desenvolvimento de uma marca de homewear que sugere a aplicação de stiper como cosmetotêxtil para estímular as articulações da terceira idade. 212f. Graduação em Design de Moda pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Apucarana, 2016.

ANDRADE, Rita Morais de. BouéSoeurs RG 7091: a biografia cultural de um vestido. 224f. Doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2008.

BARCELOS, Artur Henrique Franco. De cultura material, memória, perdas e ganhos. Revista Métis: história e cultura, v. 8, n. 16, p. 27-45, jul./dez. 2009.

BECHDEL, Alison. Você é minha mãe? Um drama em quadrinhos. São Paulo: Quadrinhos na Cia., 2013.

CANDAU, Joel. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2019.

CRANE, Diana. A moda e seu papel social: classe, gênero e identidade das roupas. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

DOHMANN, Marcus. A experiência material: a cultura do objeto. Rio de Janeiro, Rio Books, 2013.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: Departamento de Museus e Centro Culturais, 2007.

IZQUIERDO, Ivan. Memórias. Estudos Avançados, v. 3, n. 6, p. 89-112, maio/ago. 1989.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. A psicologia social no campo da cultura material. Anais do Museu Paulista, v. 4, p. 283-326, jan. 1996.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. Memória e cultura material: documentos pessoais no espaço público. Revista Estudos históricos, v. 11, n. 21, p. 89-103, 1998.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MONTEIRO, Paula. Empresária lança coleção de pijamas para usar durante o dia todo. Pequenas Empresas & Grandes Negócios. 28 mar. 2021. Disponível em: https://glo.bo/3iZZr98. Acesso em: 17 jul. 2021.

NACIF, Maria Cristina Volpi. O vestuário como princípio de leitura do mundo. In: Simpósio Nacional de História (ANPUH). Anais... São Leopoldo: UNISINOS, 2007, p. 1-10.

NERY, Olivia Silva et al. Caixas de memórias: a relação entre objetos, fotografias, memória e identidade ilustradas em cenas da ficção. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 51, n. 1, p. 42-51, jan./abr. 2015.

OMS. Declaração do Diretor-Geral da OMS sobre o Comitê de Emergência do RSI sobre Novos Coronavírus (2019-nCoV). OMS. 30 jan. 2020. Disponível em:https://bit.ly/37W5XYg. Acesso em: 17 jul. 2021.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

STALLYBRASS, Peter. O casaco de Marx: roupa, memória, dor. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

WINNICOTT, Donald Woods. A criança e o seu mundo. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

Publicado
2021-09-15