Mudanças na expectativa de vida no Brasil: analisando o passado e o futuro, de 1950 a 2095

Palavras-chave: Expectativa de vida, Causas de morte, Decomposição, Doenças crônicas

Resumo

Buscou-se mensurar o percentual de contribuição dos grupos etários avançados nos ganhos em expectativa de vida ao nascer, analisando as mudanças entre 1950 e 2095, a contribuição das causas de morte na variação da expectativa de vida, entre 2010 e 2017, para ambos os sexos, para o Brasil. Foram utilizadas tábuas de mortalidade por sexo, idade e dados de causas de óbito. Utilizaram-se as decompo-sições de Arriaga (1984) e Pollard (1982). Os resultados mostraram que a partir do final da década de 90 e início do século XXI, o grupo etário de 60 anos ou mais se transformou no que mais contribuiu para os ganhos em expectativa de vida, ultrapa-ssando a contribuição do grupo de 0 a 14 anos, aumentando consideravelmente sua contribuição até o final deste século. Para potencializar ainda mais os ganhos em idades avançadas, deve-se ter a ênfase no com-bate as doenças crônicas, bem como suas consequências.

 

Referências

ANDRADE-BARBOSA, Thiago Luis et al. Mortalidade masculina por causas externas em Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 3, p. 711-719, 2013.

ANDRADE, Bruno Leonardo Alves de; ROCHA, Dais Gonçalves. Doenças negligenciadas e bioética: diálogo de um velho problema com uma nova área do conhecimento. Revista Bioética, v. 23, n. 1, p. 105-113, 2015.

ARAUJO, José Duarte de. Polarização epidemiológica no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 21, n. 4, p. 533-538, dez. 2012.

ARRIAGA, Eduardo. Measuring and explaning the change in life expectancies. Demography, v. 21, n. 1, p. 83-96, 1984.

BELON, Ana Paula; BARROS, Marilisa Berti de Azevedo. Esperança de vida ao nascer: impacto das variações na mortalidade por idade e causas de morte no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Pública, v. 27, n. 5, p. 877-887, 2011.

BOSHUIZEN, Hendrike et al. Estimating incidence and prevalence rates of chronic diseases using disease modeling. Population Health Metrics, v. 15, n. 13, p. 1-15, 2017.

BRANT, Luiza Campos Caldeira et al. Variações e diferenciais da mortalidade por doença cardiovascular no Brasil e em seus estados, em 1990 e 2015: estimativas do Estudo Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, supl. 1, p. 116-128, 2017.

CAMARGOS, Mirela Castro Santos; GONZAGA, Marcos Roberto. Viver mais e melhor? Estimativas de expectativa de vida saudável para a população brasileira. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, n. 7, p. 1460-1472, jul. 2015.

CAMARGOS, Mirela Castro Santos et al. Estimativas de expectativa de vida livre de incapacidade funcional para Brasil e Grandes Regiões, 1998 e 2013. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 3, p. 737-747, mar. 2019.

CARVALHO, José Alberto Magno de; GARCIA, Ricardo Alexandrino. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 3, p. 725-733, 2003.

CORRÊA, Érika Ribeiro Pereira; MIRANDA-RIBEIRO, Adriana. Ganhos em expectativa de vida ao nascer no Brasil nos anos 2000: impacto das variações da mortalidade por idade e causas de morte. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 3, p. 1007-1017, 2017.

DATASUS. Mortaldiade – Brasil. DATASUS. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3sOI1yJ. Acesos em: 02 abr. 2021.

FRANÇA, Elisabeth; LANSKY, Sônia. Mortalidade infantil neonatal no Brasil: situação, tendências e perspectivas. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Anais... Belo Horizonte: Abep, 2018, p. 1-29.

GAWRYSZEWSKI, Vilma Pinheiro; KOIZUMI, Maria Sumie; MELLO-JORGE, Maria Helena Prado de. As causas externas no Brasil no ano 2000: comparando a mortalidade e a morbidade. Cadernos de Saúde Pública, v. 20, n. 4, p. 995-1003, 2004.

GBD 2016 RUSSIA COLLABORATORS. The burden of disease in Russia from 1980 to 2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. Lancet, v. 392, n. 10.153, p. 1138-1146, 2018.

GOTO, Atsushi et al. Causes of death and estimated life expectancy among people with diabetes: A retrospective cohort study in a diabetes clinic. Journal of Diabetes Investigation, v. 11, n. 1, p. 52-54, 2020.

IBGH. Projeções da população: Brasil e Unidades da Federação. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2018.

ISHITANI, Lenice Harumi et al. Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 40, n. 4, p. 684-691, 2006.

JAHANGIRI, Katayoun et al. Trend forecasting of main groups of causes-of-death in Iran using the Lee-Carter model. Medical Journal of the Islamic Republic of Iran, v. 12, n. 32, p. 124, 2018.

LE, Long-Quan et al. COVID-19 patients' clinical characteristics, discharge rate, and fatality rate of meta-analysis. Journal of Medical Virology, v. 92, n. 6, p. 577-583, 2020.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Doenças crônicas não transmissíveis e fatores de risco e proteção em adultos com ou sem plano de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, n. 8, p. 2973-2983, ago. 2020.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 51, supl. 1, p. 1-10, 2017.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Probabilidade de morte prematura por doenças crônicas não transmissíveis, Brasil e regiões, projeções para 2025. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 22, p. 1-13, 2019.

MALTA, Deborah Carvalho; SILVA JUNIOR, Jarbas Barbosa da. O plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 22, n. 1, p. 151-164, mar, 2013.

MATOS, Karla Fonseca de; MARTINS, Christine Baccarat de Godoy. Mortalidade por causas externas em Crianças, adolescentes e jovens: uma revisão bibliográfica. Revista Espaço para a Saúde, v. 14, n. 1-2, p. 82-93, 2013.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Evolução da mortalidade infantil no Brasil-1980 a 2005. In: MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Brasil 2008: 20 anos de Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2009, p. 240-266.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

NAÇÕES UNIDAS. Department of Economic and Social Affairs Population Dynamics. Population Data. Nações Unidas. 2019. Disponível em: https://bit.ly/2PVVmGM. Acesso em: 02 abr. 2021.

OLIVEIRA, Antônio Tadeu Ribeiro de; ONEILL, Maria Monica Vieira Caetano. Cenário sociodemográfico em 2022/2030 e distribuição territorial da população. uso e ocupação do solo. In: FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030 – prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: população e perfil sanitário. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde, 2013, p. 41-93.

OMRAN, Abdel. The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. Milbank Memorial Fund Quarterly, v. 29, p. 509-538, 1971.

PEREZ, Elisenda Renteria; TURRA, Cássio Maldonado. Desigualdade social na mortalidade no Brasil: diferenciais por escolaridade entre mulheres adultas. In: Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais. Anais... Caxumbu, 2016, p.1-17.

POLLARD, John. The expectation of life and its relationship to mortality. Journal of the Institute of Actuaries, v. 109, p. 225-240, 1982.

RAU, Roland et al. Continued reductions in mortality at advanced ages. Population and Development Review, v. 34, n. 4, p. 747-768, 2008.

RODRIGUES, Mayara Marta; ALVAREZ, Angela Maria; RAUCH, Keila Cristina. Tendência das internações e da mortalidade de idosos por condições sensíveis à atenção primária. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 22, p. 1-11, 2019.

SORIANO, Joan et al. The burden of disease in Spain: results from the global burden of disease 2016. Medicina Clínica (Barcelona), v. 151, n. 5, p. 171-190, 2018.

STEPHENS, Alexandre et al. Age and cause-of-death contributions to area socioeconomic, sex and remoteness differences in life expectancy in New South Wales, 2010-2012. Australian and New Zealand Journal of Public Health, v. 42, n. 2, p. 180-185, 2018.

VALLIN, Jacques; MESLÉ, France. Convergences and divergences in mortality: a new approach of health transition. Demographic Research, v. 2, n. 2, p. 11-44, 2004.

WOOD, Charles; CARVALHO, José Alberto Magno. The demography of inequality in Brazil. London: Cambridge University Press, 1988.

WOOLF, Steven; SCHOOMAKER, Heidi. Life expectancy and mortality rates in the United States, 1959-2017. JAMA, v. 322, n. 20, p. 1996-2016, 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: World Health Organization, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Prevention and control of non communicable diseases: formal meeting of Member States to conclude the work on the comprehensive global monitoring framework, including indicators, and a set of voluntary global targets for the prevention and control of non communicable diseases. WHO. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3dQSxz8. Acesso em: 08 abr. 2021.

ZHAO, Chanjuan et al. Prevalence and correlates of chronic diseases in an elderly population: a community-based survey in Haikou. PLoS One, v. 13, n. 6, p. 1-11, 2018.

Publicado
2021-04-28
Seção
Ciência, saúde e doenças no Brasil: abordagens históricas e contemporâneas