A construção da Colônia Santa Teresa e as propostas terapêuticas para os primeiros leprosos internados – São Pedro de Alcântara (SC), anos 1940

Palavras-chave: Lepra, Laborterapia, Hospital colônia, Terapêutica

Resumo

A Colônia Santa Teresa, em São Pedro de Alcântara (SC), inaugurada em 1940, foi construída de acordo com a legislação nacional que previa o internamento compulsório de leprosos, terapia medicamentosa e laborterapia. Nesse artigo abordamos aspectos de propostas prévias e do acordo, entre governo estadual e federal, que culminou na construção da instituição catarinense. Discutimos prescrições ou sugestões médicas para o trabalho e a recreação dos internos, tais como a realização de atividades agrícolas e os bailes e blocos de carnaval. Os indícios dessas atividades tornaram possível um vislumbre sobre como as práticas terapêuticas realizadas pelos homens e mulheres da Colônia Santa Teresa ganharam contornos e significados peculiares para esses leprosos, podendo abrir frestas na ordem estabelecida (Certeau, 2011). Para realizar esse artigo foram pesquisados: livros e relatos de médicos, textos memorialís-ticos de ex-internos, material arquivado na ex-colônia, relatórios governamen-tais, legislação (federal e estadual) e periódicos.

Referências

Fontes

A NOTÍCIA. A cidade dos lázaros. A Notícia, Florianópolis, v. 15, n. 2364 p. 4, 13 ago.1936.

AGRÍCOLA, Ernani. Tratado de leprologia. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Lepra, 1950.

BRASIL. Lei n. 3.987, de 02 de janeiro de 1920. Reorganiza os serviços de Saúde Pública. Câmara dos Deputados. 02 jan. 1920. Disponível em: https://bit.ly/3suvPCG. Acesso em: 19 mar. 2021.

BRASIL. Lei n. 1.045, de 02 de janeiro de 1950. Dispõe sobre a concessão de alta aos doentes de lepra. Câmara dos Deputados. 02 jan. 1950. Disponível em: http://bit.ly/3vFmfiO. Acesso em: 19 mar. 2021.

BRASIL. Decreto n. 16.300, de 31 de dezembro de 1923. Aprova o regulamento do Departamento Nacional de Saúde Pública. Gov.br. 31 dez. 1923. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1910-1929/d16300.htm. Acesso em: 19 mar. 2021.

DIA E NOITE. Recepção ao chefe da nação. Dia e Noite, Florianópolis, v. 5, n. 592, p. 1, 12 mar. 1940.

HSTDS. Álbum de fotografias. Arquivo Histórico do Hospital Santa Teresa de Dermatologia Sanitária. São Pedro de Alcântara, 194-.

HSTDS. Livro de registros: 1940-1970. Leprosário Colônia Santa Teresa – Arquivo Histórico, [s.I.].

HSTDS. Prontuários de Pacientes-internos. Leprosário Colônia Santa Teresa – Arquivo Histórico, 1947.

O ESTADO. [Convite]. O Estado, Florianópolis, v. 22, n. 6813, p. 6, 28 jun.1936.

O ESTADO. Auxílio aos leprosos! O Estado, Florianópolis, v. 33, n. 10.008, p. 8, 23 abr. 1947.

PEREIRA, Benício. Um novo horizonte. Florianópolis: [s.I.], 2002.

SANTA CATARINA. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Presidente da República pelo Dr. Nereu Ramos, interventor federal no Estado de Santa Catarina [1936]. Florianópolis: [s.n.], outubro 1937.

SANTA CATARINA. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Presidente da República pelo Dr. Nereu Ramos, interventor federal no Estado de Santa Catarina [1937]. Florianópolis: [s.n.], outubro 1938.

SANTA CATARINA. Cidade dos lázaros. Santa Catarina – Revista de Propaganda do Estado e dos Municípios, Florianópolis, n. 1, p. 33-36, 1939a.

SANTA CATARINA. Decreto n. 714, de 3 de março de 1939. Sobre o Ensino Primário no Estado. Diário Oficial, Florianópolis, p. 103-117, 03 mar. 1939b.

SANTA CATARINA. Colônia Santa Teresa, aspectos [Encarte]. Santa Catarina – Revista de Propaganda do Estado e dos Municípios, Florianópolis, n. 2, p. [s.I.], 1940a.

SANTA CATARINA. Departamento de Saúde Pública. Santa Catarina – Revista de Propaganda do Estado e dos Municípios, Florianópolis, n. 2, p. [s.I.], 1940b.

SANTA CATARINA. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Presidente da República pelo Dr. Nereu Ramos, interventor federal no Estado de Santa Catarina [1942]. Florianópolis: [s.n.], outubro 1943.

SANTA CATARINA. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Presidente da República pelo Dr. Nereu Ramos, interventor federal no Estado de Santa Catarina [1943]. Florianópolis: [s.n.], outubro, 1944.

SANTIAGO [SÃO THIAGO], Polydoro de. A lepra em Santa Catarina. Revista Combate à Lepra, v. 6, n. 4, p. 68-70, 1941.

SÃO THIAGO, Polydoro de. A medicina que aprendi, exerci e ensinei. Florianópolis: Editora da UFSC, 1989.

SIGAUD, Joseph François Xavier. Du climat et des maladies du Brésil. Paris: Chez Fortin, Masson & Cie. Libraires, 1844.

SOUZA ARAÚJO, Heráclides de. História da lepra no Brasil: Volume III – Período republicano (1890-1952). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1956.

Referências

ALECRIM, Laura Karina Nobre. Arquitetura profilática: leprosários brasileiros. 182f. Mestrado em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2012.

AMORA, Ana Maria Albano. Utopia ao avesso nas cidades muradas da hanseníase: apontamentos para a documentação arquitetônica e urbanística das colônias de leprosos no Brasil. Caderno de História da Ciência, v. 5, n. 1, p. 23-53, 2009.

AMORA, Ana Maria Albano. Modernização em Florianópolis: a contribuição da saúde para a construção da cidade no governo Nereu Ramos – 1934-1945. In: AMORA, Ana Maria Albano (Org.). História da saúde em Santa Catarina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2012, p. 39-89.

ANDRADE, Márcia Campos; COSTA-ROSA, Abílio da. O encontro da loucura com o trabalho: concepções e práticas no transcurso da história. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, v. 7, n. 1, p. 27-41, jan./jun. 2014.

ARAÚJO, Hermetes Reis de. A invenção do litoral: reformas urbanas e reajustamento social em Florianópolis na Primeira República. 215f. Mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 1989.

ARAÚJO, Silvete Crippa de; BERTUCCI, Liane Maria. A formação da “mãe de família” para o trabalho: ações de iniciação profissional feminina no Lar Infantil Icléa Federação Espírita do Paraná, Curitiba nos anos 1950. Educação Unisinos, v. 23, p. 87-104, 2019.

BASSANEZI, Carla. Virando as páginas, revendo as mulheres. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

BENCHIMOL, Jaime Larry; SÁ, Dominichi Miranda de (Orgs.). Adolpho Lutz: dermatologia e micologia / dermatology and micology. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004.

BÉNIAC, Françoise. O medo da lepra. In: LE GOFF, Jacques (Org.). As doenças têm história. Lisboa: Terramar, 1991, p. 127-145.

BERTUCCI, Liane Maria. Forjar o povo, construir a nação: ciência médica e saúde pública no Brasil. In: CARDÓ, Eulalia Ribeira; VARGAS, Hector Mendoza; MARTIN, Pere Sunyer (Orgs.). La integración del territorio en una idea de Estado, México y Brasil, 1821-1946. Ciudad de México: UNAM; Instituto Mora, 2007, p.141-161.

BURKE, Peter. Testemunha ocular. Bauru: Edusc, 2004.

CABRAL, Dilma. Lepra, medicina e políticas de saúde no Brasil (1894-1934). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2013.

CALABRE, Lia. A era do rádio. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

CARVALHO, Keila Auxiliadora. Quando o isolamento transforma-se em problema social: a reestruturação do sistema de profilaxia da lepra. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; NASCIMENTO, Dilene Raimundo; MACIEL, Ethel Leonor Noia (Orgs.). Uma história brasileira das doenças. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013, p. 183-203.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2011.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Ecos da folia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

DUCATTI, Ivan. A hanseníase no Brasil na Era Vargas e a profilaxia do isolamento compulsório. 199f. Doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

LEVINE, Robert. Pai dos pobres? São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

LIMA, Nísia Trindade de; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela ciência. In MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura (Orgs.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1996, p. 23-40.

LIMA, Simone Ribeiro de. Laços no exílio: ações socioeducativas no Leprosário Colônia Santa Teresa (Santa Catarina, 1936-1956). 131f. Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary del (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004, p. 443-481.

MACHADO, Vanderlei; SEFFNER, Fernando. Florianópolis 1889/1930: estratégias de produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subordinadas. História, v. 32, n. 1, p. 354-376, jan./jun. 2013.

MACIEL, Laurinda Rosa. A solução de um mal que é um Flagelo: notas históricas sobre a hanseníase no Brasil do século XX. In: NASCIMENTO, Dilene Raimundo; CARVALHO, Diana Maul (Orgs.). Uma história brasileira das doenças. Brasília: Paralelo 15; 2004, p. 109-125.

MATTOS, Débora Michels. Fora do arraial: hanseníase e instituições asilares em Santa Catarina (1940-1950). Florianópolis; Itajaí: UDESC; Casa Aberta, 2013.

MONTEIRO, Yara Nogueira. Da maldição divina à exclusão social. 492f. Doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo. São Paulo, 1995.

MOREIRA, Ildeu de Castro; MASSARANI, Luisa; ARANHA, Jaime. Roquette-Pinto e a divulgação científica. In: LIMA, Nísia Trindade de; SÁ, Dominichi Miranda de (Orgs.). Antropologia Brasiliana. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008, p. 247-270.

ROSEN, George. Uma história da saúde pública. São Paulo: Editora da Unesp; Hucitec, 1994.

RUFFIE, Jacques; SOURNIA, Jean-Charles. As epidemias na história do homem. Lisboa: Edições 70, 1984.

SANTOS, Fernando Sérgio Dumas dos; SOUZA, Letícia Pumar Alves de; SIANI, Antonio Carlos. O óleo de chaulmoogra como conhecimento científico: a construção de uma terapêutica antileprótica. História, ciência, saúde – Manguinhos, v. 15, n. 1, p. 29-47, jan./mar. 2008.

SANTOS FILHO, Lycurgo de Castro. História geral da medicina brasileira: Volume I. São Paulo: Edusp; Hucitec, 1991.

SOUZA JUNIOR, Celso João. O exílio no Brasil profundo: a Colônia Santa Teresa. 178f. Mestrado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2007.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. A eugenia brasileira e suas conexões internacionais: uma análise a partir das polêmicas entre Renato Kehl e Edgard Roquette-Pinto, 1920-1930. História, Ciências, Saúde – Manguinho, v. 23, supl. 1, p. 93-110, dez. 2016.

VAZ, Rafael Araldi. Nos poros da civilização. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

WATTS, Sheldon. Epidemia y poder. Barcelona: Editorial Andres Bello, 2000.

Publicado
2021-04-28
Seção
Ciência, saúde e doenças no Brasil: abordagens históricas e contemporâneas