O “papel transformador” de uma profissão: a economia moral dos epidemiologistas no Brasil (1970-2000)

Palavras-chave: Epidemiologia, Epidemiologista, Economia moral, História da saúde, Saúde coletiva

Resumo

Discute a história da Epidemio-logia e dos epidemiologistas no Brasil, principalmente entre 1970 e 2000. A partir da década de 1970, a especial-zação e a institucionalização da Epidemiologia como uma disciplina mobilizaram o surgimento da figura do epidemiologista, um profissional de saúde cuja atuação é pautada na concepção coletiva do processo saúde-doença. Argumento que a conformação da figura do epidemiologista envolveu a constituição de uma economia moral desses profissionais, pautada na crença do caráter transformador da disciplina, na articulação de métodos quantitativos e análises sociais, no engajamento na defesa da saúde pública, e na centra-lidade da desigualdade como tema. Essa constelação de valores morais, episte-mológicos, metodológicos e políticos, entretanto, foi experimentada de diferentes formas pelos epidemiologis-tas. Acompanho a emergência da figura do epidemiologista desde os anos 1970 até o início dos anos 2000, observando como os elementos que constituíram a economia moral foram discutidos e projetados por atores e instituições.

Referências

ABRASCO. A epidemiologia nos serviços de saúde. Informe Epidemiológico do SUS, v. 6, n. 3, p. 7-14, 1997.

ABRASCO. III Plano Diretor para o Desenvolvimento da Epidemiologia no Brasil 2000-2004. Rio de Janeiro: Abrasco, 2000.

ABRASCO. VI Congresso Brasileiro de Epidemiologia: “Um olhar sobre a cidade”. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 7, n. 2, p. 111-128, 2004.

ALMEIDA FILHO, Naomar. Bases históricas da epidemiologia. Cadernos de Saúde Pública, v. 2, n. 3, p. 304-311, 1986.

ALMEIDA FILHO, Naomar. A clínica e a epidemiologia. Salvador: APCE/Abrasco, 1992.

ALMEIDA FILHO, Naomar. O conceito de saúde: ponto-cego da epidemiologia? Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 3, n. 1-3, p. 4-20, 2000.

ARRUDA, Bertoldo Kruse de. Introdução ao estudo da epidemiologia do câncer. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 26, n. 1, p. 9-18, jan./fev. 1976.

AYRES, José Ricardo. O objeto da epidemiologia e nós. Physis – Revista de Saúde Coletiva, v. 3, n. 1, p. 55-76, 1993.

AYRES, José Ricardo. Sobre o risco: para compreender a epidemiologia. São Paulo: Hucitec, 1997.

AYRES, Josér Ricardo. Epidemiologia, promoção da saúde e o paradoxo do risco. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 5, supl. 1, p. 28-42, 2002.

BARATA, Rita Barradas et al. (Orgs.). Equidade e saúde: contribuições da epidemiologia. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1997.

BARATA, Rita Barradas. Epidemiologia e saber científico. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 1, n. 1, p. 14-27, 1998.

BARATA, Rita Barradas. Epidemiologia no século XXI: perspectivas para o Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 2, n. 1-2, p. 6-18, 1999.

BARATA, Rita Barradas. Epidemiologia social. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 8, n. 1, p. 7-17, 2005.

BARATA, Rita Barradas. Como e por que as desigualdades sociais impactam a saúde? Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2009.

BARATA, Rita Barradas; BARRETO, Maurício. Algumas questões sobre o desenvolvimento da epidemiologia na América Latina. Ciência & Saúde Coletiva, v. 1, n. 1, p. 70-79, 1996.

BARBOSA, Frederico Simões. A epidemiologia como instrumento de transformação. Cadernos de Saúde Pública, v. 1, n. 2, p. 137-139, 1985.

BARRETO, Maurício et al. Mudanças dos padrões de morbi-mortalidade: uma revisão crítica das abordagens epidemiológicas. Physis, v. 3, n. 1, p. 127-146, 1993.

BARRETO, Maurício et al. (Orgs.). Epidemiologia, serviços e tecnologias em saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1998.

BARRETO, Maurício. A saúde da população, os seus determinantes e as novas e velhas tecnologias: a epidemiologia no contexto da globalização. Informe Epidemiológico do SUS, v. 9, n. 3, p. 167-168, 2000.

BARRETO, Maurício. Papel da epidemiologia no desenvolvimento do Sistema Único de Saúde no Brasil: histórico fundamentos e perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 5, n. 1, p. 4-17, 2002.

BARROS, Marilisa Berti de. A utilização do conceito de classe social nos estudos dos perfis epidemiológicos: uma proposta. Revista de Saúde Pública, v. 20, n. 4, p. 269-273, 1986.

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Gov.br. 19 set. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 14 mar. 2021.

BREILH, Jaime et al. Deterioro de la Vida: un instrumento para análisis de prioridades regionales en lo social y la salud. Quito: Corporación Editora Nacional/Ceas, 1990.

BUSS, Paulo. Debate, em alto estilo, do planejamento na área da saúde no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 5, n. 4, p. 470-471, 1989.

CÂMARA, Volney; TEMBELLINI, Anamaria. Considerações sobre o uso da epidemiologia nos estudos em saúde ambiental. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 6, n. 2, p. 95-104, 2003.

CASTIEL, Luís David. O epidemiologista e os serviços de saúde coletiva no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 5, n. 1, p. 17-23, 1989.

CASTRO, Bernardi Galvão; PEREIRA, Gelli; SOUZA, Herbert de. Aids, o que fazer? Cadernos de Saúde Pública, v. 2, n. 1, p. 66-83, 1986.

CECILIO, Luiz Carlos de. A epidemiologia na avaliação dos serviços de saúde: a discussão da qualidade. Saúde e Sociedade, v. 4, n. 1/2, p. 115-117, 1995.

CORDEIRO, Hésio. O Instituto de Medicina Social e a luta pela reforma sanitária: contribuição à história do SUS. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 14, n. 2, p. 343-362, 2004.

CZERESNIA, Dina. Do contágio à transmissão: ciência e cultura na gênese do conhecimento epidemiológico. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1997.

GOLDBAUM, Moisés. O diálogo necessário entre a epidemiologia e as ciências humanas na promoção da saúde. Informe Epidemiológico do SUS, v. 10, n. 1, p. 5-6, 2001.

JÚNIOR, Thibau. Alguns fatos e fatores na epidemiologia das febres tifóide e paratifóide no Rio de Janeiro. Arquivos de Higiene, v. 6, n. 2, p. 67-130, 1936.

MIRRA, Antônio Pedro. Diretrizes para os estudos epidemiológicos do câncer no Brasil. Boletim de Oncologia, v. 43, n. 2, p. 118-125, 1962.

PAIM, Jairnilson da Silva. Indicadores de saúde no Brasil: relações com variáveis econômicas e sociais. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 2, n. 3, p. 39-82, 1975.

SANTOS NEVES, Jaime dos. Epidemiologia da tuberculose no Brasil. Arquivos de Higiene, v. 15, n. 4, p. 7-40, 1945.

SILVA, Jarbas; BARROS, Marilisa Berti de. Epidemiologia e desigualdade: notas sobre a teoria e a história. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 12, n. 6, p. 375-383, 2002.

TASCHNER, Suzana Pasternak. Moradia e pobreza: habitação em saúde. 146f. Doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. São Paulo, 1982.

TEIXEIRA, Carmen. Epidemiologia e planejamento de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, n. 2, p. 287-303, 1999.

TORRES, Carlos Henrique; CZERESNIA, Dina. A institucionalização da epidemiologia como disciplina na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 10, n. 2, p. 525-548, maio/ago. 2003.

VIANNA, Solón Magalhães et al. Medindo as desigualdades sociais em saúde no Brasil. Brasília: IPEA/OPAS, 2001.

Referências

ADAMS, Vincanne. Evidence-Based Public Health. In: BIEHL, João; PETRYNA, Adriana (Eds.). When people come first: critical studies in global health. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2013, p. 54-90.

AMSTERDAMSKA, Olga. Demarcating epidemiology. Science, Technology & Human Values, v. 30, n. 1, p. 17-51, 2005.

ARAÚJO NETO, Luiz Alves. Prevenção do câncer no Brasil: mudança conceitual e continuidade institucional no século XX. 341f. Doutorado em História das Ciências e da Saúde pela Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz. Rio de Janeiro, 2019.

ARONOWITZ, Robert. Risky medicine: our quest to conquer fear and uncertainty. Chicago: University of Chicago Press, 2015.

BEN-DAVID, Joseph. O papel do cientista na sociedade: um estudo comparativo. São Paulo: Pioneira – EDUSP, 1974.

BLORR, David. Conhecimento e imaginário social. São Paulo: Ed. Unesp, 2009.

CAMARGO, Alexandre de Paiva. A construção da medida comum: estatística e política de população no Império e na Primeira República. 421f. Doutorado em Sociologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016.

DASTON, Lorraine; GALISON, Peter. Objectivity. New York: Zone Books, 2007.

DASTON, Lorraine; SIBUM, Otto. Introduction: the scientific personae and their stories. Science in Context, v. 16, n. 1-2, p. 1-8, 2003.

DASTON, Lorraine. A economia moral da ciência. In: DASTON, Lorraine. Historicidade e objetividade. São Paulo: LiberArs, 2017, p. 37-67.

DESROSIÈRES, Alain. La politique des grands nombres: histoire de la raison statistique. Paris: La Découverte/Ponche, 2010.

EDLER, Flávio; PIRES-ALVES, Fernando. A educação médica: do aprendiz ao especialista. In: TEIXEIRA, Luiz; PIMENTA, Tânia; HOCHMAN, Gilberto. História da Saúde no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec, 2018, p. 101-144.

ESCOREL, Sarah. Reviravolta na saúde: origem e articulação do movimento sanitário. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998.

FASSIN, Didier. As economias morais revisitadas. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 18, n. 53, p. 27-54, ago. 2019.

FLECK, Ludwik. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

FONSECA, Cristina. Saúde no Governo Vargas: dualidade institucional de um bem público. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

FRENK, Julio et al. La transición epidemiológica en América Latina. Boletín de la Oficina Sanitaria Panamericana, v. 111, n. 6, p. 485-496, 1991.

GERSCHMAN, Silvia; SANTOS, Maria Angélica. O Sistema Único de Saúde como desdobramento das políticas de saúde do século XX. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 21, n. 61, p. 177-190, 2006.

GIROUX, Élodie. The framingham heart study and the constitution of a restrictive concept of risk factor. Social History of Medicine, v. 26, n. 1, p. 94-112, 2012.

HODGES, Sarah. The global menace. Social History of Medicine, v. 25, n. 3, p. 719-728, 2012.

IRIART, Celia et al. Medicina social latinoamericana: aportes y desafíos. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 12, n. 2, p. 128-136, 2002.

KUHN, Thomas. A Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2013.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à Teoria Ator-Rede. Salvador: EdUFBA, 2012.

LIMA, Nísia Trindade; FONSECA, Cristina. História da Especialização em Saúde Pública no Brasil: nota introdutória. In: LIMA, Nísia Trindade; FONSECA, Cristina; SANTOS, Paulo Roberto dos. Uma escola para a saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004, p. 25-38.

LIMA, Nísia Trindade; FONSECA, Cristina; HOCHMAN, Gilberto. A saúde na construção do Estado Nacional no Brasil: reforma sanitária em perspectiva histórica. In: LIMA, Nísia Trindade et al. Saúde e democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005, p. 27-58.

MARINHO, Maria Gabriela. Norte-americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo (1934-1952). Campinas: Editores Associados; Universidade São Francisco, 2001.

MERTON, Robert. Ensaios de sociologia da ciência. São Paulo: Editora 34, 2013.

PALOMERA, Jaime; VETTA, Theodora. Moral economy: rethinking a radical concept. Anthropological Theory, v. 16, n. 4, p. 1-21, 2016.

ROSENBERG, Charles. The Cholera Years: The United States in 1932, 1849, and 1866. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

SANTOS, Paulo Roberto Elian dos et al. A Ensp e as transformações na sociedade e no sistema de saúde no Brasil: 1970 a 1985. In: LIMA, Nísia Trindade; FONSECA, Cristina; SANTOS, Paulo Roberto dos. Uma escola para a saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004, p. 79-102.

SELLERS, Christopher. Discovering environmental cancer: Wilhelm Hueper, Post-World War II epidemiology, and the vanishing clinician’s eye. The American Journal of Public Health, v. 87, n. 11, p. 1824-1835, 1997.

SHAPIN, Steven. A Social History of Truth: civility and science in seventeenth-century England. Chicago: University of Chicago Press, 1994.

SHAPIN, Steven. The Scientific Life: a moral history of a late modern vocation. Chicago: University of Chicago Press, 2005.

TEIXEIRA, Luiz Antonio; PAIVA, Carlos Henrique Assunção. Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 21, n. 1, p. 15-36, 2014.

THOMPSON, Edward Palmer. A economia moral da multidão inglesa no século XVIII. In: THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum: estudos sobrea cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 2008a, p. 150-202.

THOMPSON, Edward Palmer. A economia moral revisitada. In: THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 2008b, p. 203-266.

Publicado
2021-04-28
Seção
Ciência, saúde e doenças no Brasil: abordagens históricas e contemporâneas