Febre amarela e epidemias: configurações do problema ao longo do tempo

Palavras-chave: História da febre amarela, Teorias científicas, Políticas de saúde pública e febre amarela, Epidemias de febre amarela

Resumo

O artigo examina a história das ideias sobre a febre amarela e o modo de combatê-la. Teorias miasmáticas, depois teorias microbianas concorrentes foram postas abaixo na virada do século XIX para o XX, quando prevaleceu aquela que norteou as campanhas de Oswaldo Cruz e outros sanitaristas. A febre amarela passou a ser vista como doença transmitida por uma única espécie de mosquito, com agente causal desconhe-cido, um único hospedeiro vertebrado (homem), grassando sobretudo nas cidades portuárias populosas das zonas quentes do planeta. Combatê-la havia significado alterar o ambiente que produzia os miasmas, depois neutralizar a suposta bactéria por meio de vacinas, desinfecções e do isolamento dos doentes; agora significava combater um mosquito nas cidades litorâneas da América e da costa ocidental da África. Na virada dos anos 1920 para os 1930, nova reviravolta: a febre amarela transformou-se em doença primaria-mente silvestre, causada por um vírus, tendo vários hospedeiros vertebrados e insetos vetores.

Referências

ANAYA, Gabriel Lopes. O feroz mosquito africano no Brasil: o alastramento silencioso e a erradicação do Anopheles gambiae (1930-1940). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2020.

BARREIROS, Eduardo Canabrava. Atlas da evolução urbana da cidade do Rio de Janeiro: ensaio - 1565-1965. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1965.

BARRETO, João de Barros; PERYASSÚ, Antônio Gonçalves. Da aspersão de inseticidas na prophylaxia da Febre Amarela. O Brasil-Medico, v. 43, n. 13, p. 350-359, 1929.

BAUER, Johannes. Transmission of yellow fever by mosquitoes other than Aedes aegypti. The American Journal of Tropical Medicine, v. 1-8, n. 4, p. 261-282, Jul. 1928.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Pereira Passos, um Haussmann tropical: a renovação urbana do Rio de Janeiro no início do século XX. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1992.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Dos micróbios aos mosquitos: febre amarela e a revolução pasteuriana no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/ Editora da UFRJ, 1999.

BENCHIMOL, Jaime Larry. A instituição da microbiologia e a história da saúde pública no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 5, n. 2, p. 265-292, 2000.

BENCHIMOL, Jaime Larry (Coord.). Febre amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Reforma urbana e revolta da vacina na cidade do Rio de Janeiro. In: FERREIRA, Jorge; NEVES, Lucília de Almeida (Orgs.). O Brasil republicano: economia e sociedade, poder e política, cultura e representações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 231-286.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Pasteur, a saúde pública e a pesquisa biomédica no Brasil. In: LIMA, Nísia Trindade; MARCHAND, Marie-Hélène (Orgs.). Louis Pasteur & Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/Banco BNP Paribas Brasil S.A., 2005, p. 55-107.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Hideyo Noguchi, leptospiroses e a febre amarela. In: BENCHIMOL, Jaime Larry et al. (Orgs.). Cerejeiras e cafezais: as relações médico-científicas entre Brasil e Japão e a saga de Hideyo Noguchi. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2009, p. 149-385.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Bacteriologia e medicina tropical britânicas: uma incursão a partir da Amazônia (1900-1901). Boletim Museu Parense Emílio Goeldi – Ciências Humanas, v. 5, n. 2, p. 315-344, maio/ago. 2010.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Hideyo Noguchi e a Fundação Rockefeller na campanha internacional contra a febre amarela (1918-1928). In: BASTOS, Cristiana; BARRETO, Renilda (Orgs.). Impérios, centros e províncias: a circulação do conhecimento médico. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2011, p. 199-338.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Ricardo Jorge e as relações entre Portugal, Brasil e África: o caso da febre amarela. In: FIOLHAIS, Carlos; MARTINS, Décio; SIMÕES, Carlota (Orgs.). História da Ciência Luso-Brasileira: Coimbra entre Portugal e o Brasil. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013, p. 229-249.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Arquitectura y microbiología en los tiempos de Oswaldo Cruz. In: SERVÍN, González; LILIA, María (Orgs.). Registro del sistema arquitectónico de pabellones en hospitales de América Latina. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2016, p. 39-54.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Yellow fever vaccine in Brazil: fighting a tropical scourge, modernising the nation. In: HOLMBERG, Christine; BLUME, Stuart; GREENOUGH, Paul (Orgs.). The Politics of Vaccination: a Global History. Machester: Manchester University Press, 2017, p. 174-208.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Doutor Thomas: do atoxil a uma trajetória singular na Amazônia. História (São Paulo), v. 37, p. 1-42, 2018.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Manguinhos do sonho à vida: a ciência na Belle Époque. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2020.

BENCHIMOL, Jaime Larry; SÁ, Magali Romero. Adolpho Lutz e a entomologia médica no Brasil (apresentação histórica): Adolpho Lutz, obra completa, v. 2, livro 3. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2006.

BENCHIMOL, Jaime Larry; TEIXEIRA, Luiz Antonio. Cobras lagartos e outros bichos: uma história comparada dos institutos Oswaldo Cruz e Butantan. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Casa de Oswaldo Cruz, 1993.

BIRN, Anne-Emanuelle; LÓPEZ, Raúl Necochea. Footprints on the future: looking forward to the history of health and medicine in Latin America in the Twenty-First Century. Hispanic American Historical Review, v. 91, n. 3, p. 503-527, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde. Resumo das atividades do Serviço Nacional de Febre Amarela durante o ano de 1949. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1950.

BRASIL. Eventos adversos sérios associados com a vacina 17D contra a febre amarela. Ministério da Saúde; Funasa. 2000. Disponível em: https://bit.ly/3cpPA82. Acesso em: 11 mar. 2021.

BUENO, Flávia Thedim Costa et al. Zika e Aedes aegypti: antigos e novos desafios. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 24, n. 4, p. 1161-1179, out./dez. 2017.

BUSVINE, James Ronald. Disease transmission by insects: its discovery and 90 years of effort to prevent it. New York: Springer-Verlag, 1993, p. 11-18.

CALHEIROS, Lélio Bringel. Programa de erradicação do Aedes aegypti no Brasil. In: Simpósio Internacional sobre Febre Amarela e Dengue: cinqüentenário da introdução da cepa 17D no Brasil. Anais... Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; Bio-Manguinhos, 1988, p. 189-196.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Decreto n. 1.151, de 5 de janeiro de 1904. Reorganiza os serviços da hygiene administrativa da União. Câmara dos Deputados. 05 jan. 1904. Disponível em: http://bit.ly/3euXSOx. Acesso em: 11 mar. 2021.

CAPONI, Sandra. Sobre la aclimatación: Boudin y la geografía médica. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 14, n. 1, p. 13-38, jan./mar. 2007.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CHRISTOPHERS, Rickard. Aëdes aegypti (L.) The yellow fever mosquito: its life history, bionomics and structure. Cambridge: University Press, 1960.

CONI, Antonio Caldas. A Escola Tropicalista Bahiana. Salvador: Livraria Progresso Ed., 1952.

COSTA, Nilson do Rosário. Lutas urbanas e controle sanitário: origens das políticas de saúde no Brasil. Petrópolis: Vozes; Rio de Janeiro: ABRASCO, 1985.

CUETO, Marcos (Org.). Missionaries of science: the Rockefeller Foundation & Latin America. Bloomington: Indiana University Press, 1994.

CUETO, Marcos. Los ciclos de la erradicación: la Fundación Rockefeller y la salud pública latinoamericana, 1918-1940. In: CUETO, Marcos (Ed.). Salud, cultura y sociedad en América Latina. Lima: IEP; Organización Panamericana de la Salud, 1996, p. 179-201.

CUKIERMAN, Henrique. Yes, nós temos Pasteur: Manguinhos, Oswaldo Cruz e a história da ciência no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Faperj, 2007.

DELAPORTE, François. Histoire de la fièvre jaune. Paris: Payot, 1989.

DOENÇA PERENE. A febre amarela existe na selva amazônica. Veja, n. 659, 22 abr. 1981, p. 78.

DOLINSKI, João Pedro. Os surtos de febre amarela na cidade de Paranaguá (1852-1878). Revista de História Regional, v. 18, n. 2, p. 410-437, 2013.

DURHAM, Herbert Edward; MYERS, Walter. Liverpool School of Tropical Medicine: yellow fever expedition. The British Medical Journal, v. 1, n. 2095, p. 450-451, 23 fev. 1901.

DURHAM, Herbert. Report of the yellow fever expedition to Parà: Liverpool School of Tropical Medicine – Memoir VII. London; New York; Bombaim: Longmans, Green & Co, 1902.

DURHAM, Herbert Edward; MYERS, Walter. Liverpool School of Medicine: yellow fever expedition – some preliminary notes. The British Medical Journal, v. 2, n. 2071, p. 656-657, 08 set. 1900.

EDLER, Flávio. A medicina no Brasil Imperial: clima, parasitas e patologia trópica. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011.

ESPINOSA, Mariola. Epidemic invasions: yellow fever and the limits of Cuban Independence, 1878-1930. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2009.

FERREIRA, Jorge; NEVES, Lucília de Almeida (Orgs.). O Brasil republicano: economia e sociedade, poder e política, cultura e representações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FINLAY, Carlos. El mosquito hipoteticamente considerado como agente de transmision de la fiebre amarilla. Trabajo leido em la à Real Academia de Ciencias Médicas, Físicas y Naturales de la Habana, sesión del 14 ago.1881. In: FINLAY, Carlos Juan. Obras Completas de Finlay. La Habana: Academia de Ciencias de Cuba, Museo Historico de la Ciencias Medicas Carlos J. Finlay, 1965, p. 247-261. Reeditado em: Revista Cubana de Salud Publica, v. 37, supl. 5, p. 555-562, 2011.

FINLAY, Carlos Juan; DELGADO, Cláudio. “Estadistica de las inoculaciones con mosquitos contaminados en enfermos de fiebre amarilla”. In: FINLAY, Carlos Juan. Obras Completas de Finlay. La Habana: Academia de Ciencias de Cuba, Museo Historico de la Ciencias Medicas Carlos J. Finlay, 1965, p. 75-92. Originalmente apresentado na sessão de 14 dez. 1890 e publicado em Anales de la Academia de Ciencias Médicas Físicas y Naturales de la Habana, v. 27, p. 459-469; feb. 1891).

FINLAY, Carlos Juan. Concepto probable de la naturaleza y el ciclo vital del germen de la fiebre amarillas. Revista de Medicina Tropical. Havana, abril de 1903. In: FINLAY, Carlos Juan. Obras Completas de Finlay. La Habana: Academia de Ciencias de Cuba, Museu Historico de las Ciencias Medicas Carlos J. Finlay, 1967, p.151-158.

FRAGA, Clementino. A febre amarella no Brasil. Notas e documentos de uma grande campanha sanitária. Rio de Janeiro: Off. Graph. da Insp. de Demographia Sanitária, 1930a.

FRAGA, Clementino. A febre amarela no Brasil. Notas e documentos de uma grande campanha sanitária. Brasil-Medico, v. 44, n. 39, p. 1081-1087; n. 40, p. 1111-1112, 1930b.

FRAIHA NETO, Habib. Reinfestação do Brasil pelo Aedes aegypti: considerações sôbre o risco de urbanização do vírus da febre amarela silvestre na região reinfestada. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 10, n. 5, p. 289-294, set./out. 1968.

FRAIHA NETO, Habib. Entrevista concedida a Jaime Benchimol e Rosângela Santos Gomes. Belém, 11 dez. 2018.

FRANCO, Odair. História da febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro: Divisão de Cooperação e Divulgação; Departamento Nacional de Endemias Rurais; Ministério da Saúde, 1969.

GOELDI, Emilio. Os mosquitos encarados como uma calamidade pública. Brazil-Medico, v. 17, n. 1, p. 5-8, 1903.

GOELDI, Emilio. Os mosquitos no Pará: reunião de quatro trabalhos sobre os mosquitos indígenas, principalmente as especies que molestam os homens. Belém: Estabelecimento Graphico C. Wiegandt, 1905.

GROOT, Hernando. Sessenta anõs de vacuna antiamarílica. Biomedica, v. 19, n. 4, p. 269-271, 1999.

GUERRA, Egídio Salles. Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro: Casa editorial Vecchei, 1940.

GUITERAS GENER, Juan. Expedición al Africa y estudios de fiebre amarilla. A Folha Médica, v. 2, p. 216-221, 227-228, 1921.

GUITERAS GENER, Juan. Expedición al África y estudios de fiebre amarilla. Anales de la Academia de Ciencias Médicas, Físicas e Naturales de la Habana, v. 57, p. 265-287, 1920-1921.

HOCHMAN, Gilberto. Reformas, instituições e políticas e saúde no Brasil (1930-1945). Educar em Revista, n. 25, p. 127-141, 2005.

HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento: as bases da política de saúde pública no Brasil. São Paulo: Hucitec/ANPOCS, 1998.

HUGHES, Sally Smith. The virus: history of the concept. Londres: Heinemann Educational Books; New York: Science History Publications, 1977.

JORGE, Ricardo. La fièvre jaune et la campagne sanitaire a Rio de Janeiro (1928-1929). Paris: Office International d’Hygiene Publique, 1930.

JORNAL DO BRASIL. Sanitarista quer prevenir expansão da febre amarela. Jornal do Brasil, n. 50, 1º Caderno, p. 17, 28 maio 1977.

LACERDA, João Batista de. A simbiose do bacilo icteróide com um bolor: focalização da febre amarela no interior dos domicílios. Comunicações lidas perante a Academia Nacional de Medicina do Rio de Janeiro pelo Dr. João Batista de Lacerda, presidente da seção médica. Rio de Janeiro: Tip. Leuzinger, 1900.

LARA, Jorge Tibilletti de. A virologia no Instituto Oswaldo Cruz e a emergência da dengue como problema científico. 224f. Mestrado em História das Ciências e da Saúde pela Casa de Oswaldo Cruz-Fiocruz. Rio de Janeiro, 2020.

LEMOS, Fernando Cerqueira. Contribuição à história do Instituto Bacteriológico 1892-1940. Revista do Instituto Adolpho Lutz, v. 14, p. 7-13, 1954.

LIMA, Milton Moura; ARAGÃO, Mario. Tratamento focal e perifocal contra Aëdes aegypti. Cadernos de Saúde Pública, v. 2, n. 3, p. 142-147, abr./jun. 1987.

LINTZ, Alcides; PARREIRAS, Decio. Notas e estudos epidemiológicos sobre a febre amarela: 1928-1930. Niterói: O Cruzeiro, 1930.

LIVINGSTONE, David. Human acclimatization: perspectives on a contested field of inquiry in Science, medicine and geography. History of Science, v. 25, n. 4, p. 359-394, 1987.

LOBO, Eulalia Maria Lahmeyer. História do Rio de Janeiro (do capital comercial ao capital industrial e financeiro). Rio de Janeiro: IBMEC, 1978.

LOURENÇO, José. Saneamento da Capital Federal. In: Anais da Academia de Medicina do Rio de Janeiro, t. 57 (1891-1892). Rio de Janeiro: Cia Tipográfica do Brasil, 1891, p. 65-106.

LÖWY, Ilana. La mission de l’Institut Pasteur à Rio de Janeiro: 1901-1905. In: MORANGE, Michel (Ed.). L’Institut Pasteur: contribution à son histoire. Paris: La Découverte, 1991, p. 195-279.

LÖWY, Ilana. Mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

MAGALHÃES, Rodrigo Cesar da Silva. A erradicação do Aedes aegypti: febre amarela, Fred Soper e saúde pública nas Américas (1918-1968). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2016.

MARCHOUX, Émile; SIMOND, Paul-Louis. Études sur la Fièvre Jaune. Deuxième memorie de la Mission Française a Rio de Janeiro. Annales de L’Institut Pasteur, v. 20, p. 16-40, 1906a.

MARCHOUX, Émile; SIMOND, Paul-Louis. Études sur la Fièvre Jaune. Deuxième memorie de la Mission Française a Rio de Janeiro. Revista Médica de S. Paulo, v. 9, p. 97-97, 101, 118-124, 1906b.

MARCHOUX, Émile; SALIMBENI, Alexandre Tourelli; SIMOND, Paul-Louis. A febre amarela. Relatório da missão franceza. Revista Medica de S. Paulo, v. 7, p. 12-21; 38-42, 61-66, 1904.

MARINHO, Antônio. Vacina vegetal contra febre amarela é criada no Brasil. O Globo. 26 jan. 2011. Disponível em: http://glo.bo/3tmXohX. Acesso em: 13 mar. 2021.

MCNEILL, John Robert. Mosquito Empires: Ecology and War in the Greater Caribbean, 1620-1914. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

MONATH, Thomas. Review of the risks and benefits of yellow fever vaccination including some new analyses. Expert Review of Vaccines, v. 11, n. 4, p. 427-448, 2012.

NEUMANN, Rudolf Otto; OTTO, Hans Erich Moritz. Studien über das Gelbe Fieber in Brasilien während der auf Veranlassung des Institutes für Schiffs – und Tropenkrankheiten in Hamburg im Sommer 1904 ausgeführten Gelbfieberexpedition. Leipzig: Verlag Von Veit, 1906.

PACKARD, Randall; GADELHA, Paulo Ernani. A land filled with mosquitos: Fred L. Soper, the Rockefeller Foundation and the Anopheles gambiae invasion of Brazil. Parasitologia, v. 36, n. 1-2, p. 197-213, 1994.

PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION/ WORLD HEALTH ORGANIZATION. A Symposium on Yellow Fever. Belem: PAHO; Instituto Evandro Chagas; Academia Brasileira de Ciências, 1980.

PIMENTA, Tania Salgado. Transformações no exercício das artes de curar no Rio de Janeiro durante a primeira metade do Oitocentos. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 11, sup. 1, p. 67-92, 2004.

PLESSET, Isabel. Noguchi and his patrons. New Jersey: Associated University Press, 1980.

REED, Walter et al. The etiology of yellow fever. A preliminary note. In: Public Health Papers and Reports, v. 26. Columbus: The Berlin Printing Company, 1901, p. 37-53.

REGO, José Pereira. Historia e descripção da febre amarella epidemica que grassou no Rio de Janeiro em 1850. Rio de Janeiro: Typ. de F. de Paula Britto Nacional, 1851.

REVISTA DA SEMANA. A febre amarela: sugestões da CCEFA. Revista da Semana, v. 30, n. 20, p. 23, 04 maio 1929a.

REVISTA DA SEMANA. Guerra ao mosquito! Revista da Semana, v. 30, n. 30, p. 30, 20 jul. 1929b.

RIBAS, Emílio. O mosquito como agente da propagação da febre amarela. São Paulo: Serviço Sanitário do Estado de S. Paulo, Typographia do Diario do Official, 1901.

RODRIGUES, Cláudia. Lugares de mortos na cidade dos vivos. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, 1997.

RODRIGUES, Cláudia. A cidade e a morte: a febre amarela e seu impacto sobre os costumes fúnebres no Rio de Janeiro (1849-50). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 6, n. 1, p. 53-80, mar./jun. 1999.

ROSA, Joam Ferreira da. Trattado único da constituiçam pestilencial de Pernambuco offerecido a El Rey N. S. por ser servido ordenar por seu Governador aos Médicos da America, que assistem aonde há este contagio, que o compusessem para se conferirem pelos Coripheos da Medicina aos dictames com que He trattada esta pestilencial febre. Lisboa: Officina de Miguel Manescal, 1694.

SANTOS FILHO, Lycurgo de Castro; NOVAES, José Nogueira. A febre amarela em Campinas 1889-1900. Campinas: Centro de Memória – Unicamp, 1996.

SCARPACI, Joseph; SEGRE, Roberto; COYULA, Mario. Havana: two faces of the Antillean metropolis. Chapel Hill and London: The University of North Carolina Press, 2002.

SEVCENKO, Nicolau. A revolta da vacina, mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SODRÉ, Azevedo; COUTO, Miguel. Das gelbfieber. Viena: Alfred Hölder, 1901.

SOPER, Fred; WILSON, Bruce. Anopheles gambiae no Brasil 1930 a 1940. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2009.

SOPER, Fred. Progressos realizados nos estudos e combate da febre amarela entre a IX e a X Conferências Sanitárias Panamericanas 1934-1938. Separata dos Archivos de Hygiene, v. 9, n. 1, p. 3-25, 1939.

SOPER, Fred et al. Yellow fever without Aedes aegypti: study of a rural epidemic in the Valle do Chanaan, Espírito Santo, 1932. American Journal of Hygiene, v. 18, p. 555-587, 1933.

STEPAN, Nancy. The interplay between socio-economic factors and medical science: yellow fever research, Cuba and the United States. Social Studies of Science, v. 8, p. 397-423, 1978.

STIMSON, Arthur. Note on an organism found in yellow-fever tissue. Public Health Reports, v. 22, n. 18, p. 541, 1907.

STOKES, Adrian; BAUER, Johannes; HUDSON, Paul. Transmission of yellow fever to Macacus rhesus, preliminary note. The Journal of the American Medical Association, v. 90, n. 4, p. 253-254, 1928a.

STOKES, Adrian; BAUER, Johannes; HUDSON, Paul. Experimental Transmission of yellow fever to laboratory animals. The American Journal of Tropical Medicine, v. 1-8, n. 2, p. 103-164, 1928b.

TAUIL, Pedro Luiz. Aspectos críticos do controle da febre amarela no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 44, n. 3, p. 555-558, 2010.

THEOBALD, Frederick Vincent. A monograph of the Culiciidae or mosquitoes: mainly compiled from the collections received at the British Museum from various parts of the world in connection with the investigation into the cause of malaria conducted by the Colonial Office and Royal Society. London: Trustees of the Museum, 1901-1910.

THEOBALD, Frederick Vincent. A monograph of the Culiciidae or mosquitoes: mainly compiled from the collections received at the British Museum from various parts of the world in connection with the investigation into the cause of malaria conducted by the Colonial Office and Royal Society. London: printed by order of the Trustees of the Museum, 1901. (2 vols mais atlas com 37 pranchas coloridas e cinco pranchas com fotografias).

UNITED STATES PATENT OFFICE. Thomas A. Clayton, of New Orleans, Louisiana. Method of an apparatus for fumigating and extinguishing fires in closed compartments, specification forming part of letters patent no. 688,807, dated September 26, 1899. Disponível em: https://bit.ly/3qL77ws. Acesso em: 13 mar. 2021.

WERMELINGER, Eduardo Dias; CARVALHO, Raimundo Wilson de. Métodos e procedimentos usados no controle do Aedes aegypti na bem-sucedida campanha de profilaxia da febre amarela de 1928 e 1929 no Rio de Janeiro. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, n. 4, p. 837-844, out./dez. 2016.

WILLIAMS, Steven. Nationalism and public health: the convergence of Rockefeller Foundation technique and Brazilian federal authority during time of yellow fever, 1925-1930. In: CUETO, Marcos. Missionaries of science: the Rockefeller Foundation & Latin America. Bloomington: Indiana University Press, 1994, p. 23-51.

WOODALL, John. Summary of a Symposium on Yellow Fever. Journal of Infectious Diseases, v. 144, n. 1, p. 87-91, 1981.

Publicado
2021-04-28
Seção
Ciência, saúde e doenças no Brasil: abordagens históricas e contemporâneas