Inserção de setores populares na universidade a partir da interface entre Educação Superior e Educação do Campo

Palavras-chave: Educação Superior, Educação do Campo, PRONERA, PROCAMPO

Resumo

Trata da função da universidade em nossa contemporaneidade, em especial nas primeiras décadas do século XXI, a partir da interface entre Educação Superior e Educação do Campo. Explora questões acerca da universidade no Brasil e analisa seu caráter excludente, mesmo quando tangenciada por movimentos de democratização. Coloca em evidência a inserção dos setores populares na universidade pública, sobretudo, os vinculados à luta por uma Educação do Campo. Volta-se para a constitui-ção e realização da política pública de Educação do Campo e sua incidência na Educação Superior. Compreende a efetividade dessa ação, produzida na luta dos povos trabalhadores do campo e a afirma como uma ação contundente de tensionamento da função da universidade pública brasileira.

Referências

Fontes

BRASIL. Portaria n. 86, de 1º de fevereiro de 2013: Programa Nacional de Educação do Campo – PRONACAMPO. Ministério da Educação. 2013. Disponível em: http://pronacampo.mec.gov.br/. Acesso em: 20 dezembro 2020.

BRASIL. PRONERA: manual de operações. Ministério do Desenvolvimento Agrário. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3paZ9wo. Acesso em: 20 dez. 2020.

BRASIL. PRONACAMPO: Programa Nacional de Educação do Campo. Ministério da Educação. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2EWQewM. Acesso em: 08 maio 2020.

FONEC. Carta de Criação do Fórum Nacional de Educação do Campo. Laboratório de Educação do Campo e Indígena. 2010. Disponível em: https://bit.ly/2QUVS57. Acesso em: 08 maio 2020.

FONEC. FONEC lança nota em defesa do PRONERA e do direito à Educação do Campo. Assesoar. 2020a. Disponível em: https://bit.ly/2EZyDV7. Acesso em: 24 jul. 2020.

FONEC. Residência Profissional Agrícola: mais um ataque ao PRONERA. Brasília: FONEC, 2020b.

INCRA. Formação por meio do PRONERA beneficia 12,5 mil pessoas em todo o País. Portal do INCRA. 05 set. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2YXCKYY. Acesso em: 08 maio 2020.

IPEA. II PNERA: relatório da II Pesquisa Nacional sobre a Educação na Reforma Agrária. Brasília: IPEA, 2015.

MEC. Minuta original da proposta da Licenciatura em Educação de Campo. In: MOLINA, Mônica Castagna; SÁ, Laís Mourão (Orgs.). Licenciaturas em Educação do Campo: registros e reflexões das experiências-piloto. Belo Horizonte: Autêntica, 2011, p. 357-364.

MST. Formação de educadores nos cursos formais: documento elaborado a partir do Seminário realizado em novembro de 2007. In: MST. Educação no MST: Documentos 1987-2015. São Paulo: Secretaria Nacional do MST, 2017, p. 131-142.

PAZZETTI, Estevan Aquiles; FARIAS, Maria Isabel. Localização das Universidades Federais com Licenciatura em Educação do Campo. In: Seminário Nacional da Licenciatura em Educação do Campo. Caderno de Estudos. Laranjeiras do Sul: MEC, 2015, p. 12.

Referências

ALMEIDA, Benedita; ANTONIO, Clésio Acilino. O curso de Pedagogia para educadores do campo – experiência da Universidade Estadual do Oeste do Paraná: história e prática. In: ALMEIDA, Benedita; ANTONIO, Clésio Acilino; ZANELLA, José Luiz (Orgs.). Educação do Campo: um projeto de formação de educadores em debate. Cascavel: EDUNIOESTE, 2008, p. 21-37.

CHAUÍ, Marilena. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Projeto societário contra-hegemônico e educação do campo: desafios de conteúdo, método e forma. In: MUNARIN, Antônio et al. (Orgs). Educação do Campo: reflexões e perspectivas. Florianópolis: Insular, 2011, p. 19-46.

GARCIA, Tania Braga; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Em debate (ainda): por que e para que fazer extensão universitária? Boletim de Extensão e Cultura – CEC/UFG/CAC, v. 1, n. 1, p. 2-2, out./nov. 2011.

HORÁCIO, Amarildo de Souza. Licenciatura em Educação do Campo e movimentos sociais: análise do curso da Universidade Federal de Minas Gerais. 156f. Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2015.

KOLLING, Edgar Jorge; NÉRY, Irmão; MOLINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação básica do campo: Memória. Brasília: Fundação Universidade de Brasília, 1999.

LEHER, Roberto. Movimentos Sociais, padrão de acumulação e crise da universidade. In: Reunião Nacional da ANPED. Anais... Florianópolis: UFSC, 2015, p. 1-16.

LEHER, Roberto. Guerra cultural e Universidade pública: o Future-se é parte da estratégia de silenciamento. In: GIOLO, Jaime; LEHER, Roberto; SGUISSARDI, Valdemar (Orgs.). Future-se: ataque à autonomia das instituições federais de educação superior e sua sujeição ao mercado. São Carlos: Diagrama Editorial, 2020, p. 106-149.

LOSS, Adriana Salete et al. (Orgs.). Ensino Superior “em movimento”: aproximações da inclusão pelos princípios da educação popular. Curitiba: Editora CRV, 2018.

LOSS, Adriana Salete; VAIN, Pablo Daniel (Orgs.). Ensino Superior e inclusão: palavras, pesquisas e reflexões entre movimentos internacionais. Curitiba: Editora CRV, 2018.

MARTINS, Fernando José. A pedagogia da terra: os sujeitos do campo e do Ensino Superior. Revista Educação, Sociedade & Culturas, n. 36, p. 103-119, 2012.

MOLINA, Mônica Castagna; ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel. Educação do Campo: história, práticas e desafios no âmbito das políticas de formação de educadores – reflexões sobre o PRONERA e o PROCAMPO. Revista Reflexão e Ação, v. 22, n. 2, p. 220-253, jul./dez. 2014.

PINTO, Álvaro Vieira. A questão da Universidade. São Paulo: Cortez, 1994.

RAMOS, Marise Nogueira; MOREIRA, Telma Maria; SANTOS, Clarice Aparecida dos. Referências para uma política nacional de Educação do Campo. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Grupo Permanente de Trabalho de Educação do Campo, 2004.

SANTOS, Clarice Aparecida dos. Educação do Campo e políticas públicas no Brasil: o protagonismo dos movimentos sociais do campo na instituição de políticas públicas e a Licenciatura em Educação do Campo na UnB. Brasília: Líber Livro; Faculdade de Educação/Universidade de Brasília, 2012.

SANTOS, Ramofly Bicalho dos; SILVA, Marizete Andrade da. Políticas públicas em educação do campo: Pronera, Procampo e Pronacampo. Revista Eletrônica de Educação, v. 10, n. 2, p. 135-144, 2016.

VERDÉRIO, Alex. A pesquisa em processos formativos de professores do campo: a Licenciatura em Educação do Campo na UNIOESTE (2010-2014). 362f. Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2018.

ZIBECHI, Raúl. Os movimentos sociais latino-americanos: tendências e desafios. In: LEHER, Roberto; SETÚBAL, Marina (Orgs.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005, p. 198-207.

Publicado
2021-01-04
Seção
A universidade como agente de desenvolvimento cultural, social e econômico