A prática da Wicca em Fortaleza: um estudo de caso

Palavras-chave: Wicca, Coven, Fortaleza, Estudo de caso

Resumo

Avançando em nossa pesquisa pós-doutoral sobre as rezadeiras da periferia da cidade de Fortaleza, deparamo-nos com diversas manifestações da Espiritualidade e que envolvem a mulher como um elemento importante para o seu panteão. Umas dessas manifestações é a Wicca, que tem no feminino seu exponente sagrado máximo. Para amparar nosso percurso teórico nesse estudo de caso, amparamonos em investigadores basilares da área como Cordovil (2017), Langer e Campos (2007), Osório (2011, 2005, 2004) e Terzetti Filho (2016, 2014). Assim, analisamos um coven que reúne treze wiccanos desde 2016. Concluímos que esses iniciados refletem os preceitos da Arte sistematizada por Gerald Gardner nos anos 1950, baseando-se no legado de Margareth Murray e de outros estudiosos anteriores a ele, desenvolvida a posteriori pelos seguidores mais próximos desses e daqueles.

Referências

ARAÚJO, Kallyne Fabiane Pequeno de. A Wicca e a metamorfose da Bruxa. 89f. Graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2015.

BEZERRA, Karina Oliveira. Conhecendo a Wicca: princípios básicos e gerais. Paralelus, v. 1, n. 2, p. 99-118, jul./dez. 2010.

CORDOVIL, Daniela. Sexualidade, espiritualidade e conjugalidades na Wicca brasileira. Religião e Sociedade, v. 37, n. 1, p. 85-103, 2017.

CORRÊA, Lucas Berlanza; REFKALEFSKY, Eduardo. A comunidade wiccana no Brasil: discursos, recursos e práticas de comunicação. In: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Anais... Ouro Preto, 2012, p. 1-15.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

DUARTE, Janluis. Quem eram as bruxas de Gardner? Temporalidades: Revista de História, v. 9, n. 1, p. 275-289, jan./abr. 2017.

DUARTE, Janluis. Reinventando tradições: representações e identidades da bruxaria neopagã no Brasil. 239f. Doutorado em História pela Universidade de Brasília. Brasília, 2013.

ELIADE, Mircea. Ocultismo, bruxaria e correntes culturais. Belo Horizonte: Interlivros, 1979.

FRAZER, James. O Ramo Dourado. São Paulo: Círculo do Livro, 1983.

GINZBURG, Carlo. História noturna: decifrando o Sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LANGER, Jonnhi; CAMPOS, Luciana de. The wicker man: reflexões sobre a wicca e o neo-paganismo. Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 2, p. 1-21, abr./jun. 2007.

OLIVEIRA, Maria do Carmo Fragoso. A Wicca Hoje. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2012.

OSÓRIO, Andréa. Dons da bruxa e trajetórias wiccanas: narrativas sobre ser e tornar-se uma bruxa moderna. Cadernos de Campo, n. 20, p. 51-64, 2011.

OSÓRIO, Andréa. Bruxas modernas na rede virtual: a internet como espaço de sociabilidade e disputas entre praticantes de wicca no Brasil. Sociedade e Cultura, v. 8, n. 1, p. 127-139, jan./jun. 2005.

OSÓRIO, Andréa. Bruxas modernas: um estudo sobre identidade feminina entre praticantes de wicca. Campos, n. 5, v. 2, p. 157-172, 2004.

PEREIRA, Maria Virgínia Souza; CAMPOS, Laíz Letícia de Oliveira Maltêz; MACHADO, Liliane. Divindades femininas na wicca. In: Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião. Anais... São Leopoldo, 2017, p. 477-492.

TERZETTI FILHO, Celso Luiz. A Deusa não conhece fronteiras e fala todas as línguas: um estudo sobre a religião Wicca nos Estados Unidos e no Brasil. 192f. Doutorado em Ciência da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2016.

TERZETTI FILHO, Celso Luiz. A institucionalização da Wicca no Brasil: entrevista com a bruxa wiccaniana Mavesper Cy Ceridwen. REVER, v. 14, n. 2, p. 279-290, jul./dez. 2014.

VIEIRA, Taís Borin. Gênero e religião: paganismo e o culto à Deusa na contemporaneidade. 79f. Mestrado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.

Publicado
2020-06-05