Um poder evangélico no Estado brasileiro? mobilização eleitoral, atuação parlamentar e presença no governo Bolsonaro

  • Marcelo Ayres Camurça Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Palavras-chave: Religião, política, Cristianismo, eleições 2018, governo Bolsonaro.

Resumo

Este texto tem por finalidade examinar as estratégias pelas quais as principais igrejas evangélico-pentecostais ocuparam a política, mediante suas bancadas parlamentares e cargos governamentais, para estabelecer uma normatividade legal através da qual os valores de sua dogmática religiosa são convertidos em políticas públicas. É o que se conceitua como uma confessionalização da política e do espaço público. Discute-se, também, como graus de intolerância e beligerância podem conviver no imaginário religioso da população evangélica, com suas estruturas de sentido para a vida. Busca-se, ainda, analisar a influência destas forças cristãs conservadoras no Congresso Nacional eleito em 2018 e sua interferência no resultado do pleito presidencial, com a eleição de um governo de extrema direita. Por fim, interpreta-se a associação da imagem do presidente Bolsonaro com o segmento evangélico e as implicações políticas e sociais disto.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo. A onda quebrada – evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, v. 50, p. 5-30, 2017.

______. Deus acima de todos. In: ABRANCHES, Sérgio et al. (Orgs.). Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p. 35-51.

AQUINO, Ruth de. Sexo jovem virou coisa de esquerda. 2020. Disponível em: <https://glo.bo/381MYJJ>. Acesso em: 13 jan. 2020.

ARAGÃO, Jarbas. “Sem essa de Estado laico, somos um Estado cristão”, afirma Bolsonaro. 2017. Disponível em: <http://bit.ly/2sklxvw>. Acesso em: 13 jan. 2020.

______. Bolsonaro recebe profecia de missionário carismático. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/2RhuhLi>. Acesso em: 13 jan. 2020.

BARBIÉRI, Luiz Felipe. Damares diz que na “concepção cristã” mulher deve ser “submissa” ao homem no casamento. 2019. Disponível em: <https://glo.bo/2tgBXFD>. Acesso em: 26 ago. 2019.

BRESCIANI, Eduardo. Futura ministra quer aprovação de projeto que prevê bolsa para vítima de estupro que desistir de aborto. 2018. Disponível em: <https://glo.bo/2QSSicR>. Acesso em: 25 jan. 2019.

BURITY, Joanildo. A onda conservadora na política brasileira traz o fundamentalismo ao poder? In: ALMEIDA, Ronaldo; TONIOL, Rodrigo (Orgs.). Conservadorismos, fascismos e fundamentalismos: análises conjunturais. Campinas: Editora da Unicamp, 2018, p. 15-66.

CACERES, Michael. Bolsonaro é melhor avaliado por evangélicos, segundo Datafolha. 2019. Disponível em: <http://bit.ly/30fNP6Q>. Acesso em: 13 jan. 2020.

CAMURÇA, Marcelo Ayres. O Brasil religioso que emerge do Censo de 2010: consolidações, tendências e perplexidades. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (Orgs.). Religiões em movimento: o Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 63-87.

______. Religião, política e espaço público no Brasil: perspectiva histórico/sociológica e a conjuntura das eleições presidenciais de 2018. Estudos de Sociologia, v. 3, n. 25, p. 125-159, 2019.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Os políticos de Cristo – uma análise do comportamento político de protestantes históricos e pentecostais no Brasil. In: BURITY, Joanildo; MACHADO, Maria das Dores (Orgs.). Os votos de Deus: evangélicos, política e eleições no Brasil. Recife: Editora Massangana, 2006, p. 29-89.

CASANOVA, José. Public Religions in the Modern World. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

______. Rethinking Secularization: a global comparative perspective. The Hedgehog Review, v. 8, n. 1/2, p. 7-22, 2006.

COSTA, Waldney de Souza Rodrigues. Curtindo a presença de Deus: religião, lazer e consumo entre crentes e canções. 348f. Doutorado em Ciência da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Minas Gerais, 2019.

CUNHA, Magali. “Lobos devoradores” e o cristofascismo no Brasil. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/2tdiCFq>. Acesso em: 11 fev. 2019.

______. Evangélicos crescem no Brasil, mas a fé cristã diminui. 2019a. Disponível em: <http://bit.ly/2QMzgEN>. Acesso em: 13 jan. 2020.

______. Evangélicos conservadores são, hoje, prioridade no governo Bolsonaro. 2019b. Disponível em: <http://bit.ly/35Ka6Li>. Acesso em: 12 dez. 2019.

DIP. Andrea. A violência sexual no Marajó não é nada do que a ministra Damares diz. 2019. Disponível em: <http://bit.ly/2NowALt>. Acesso em: 13 jan. 2020.

DULLO, Eduardo. A escala do problema: visibilidade e complexidade em controvérsias políticas e religiosas. In: Reunião Equatorial de Antropologia. Anais... Salvador: UFBA, 2019.

DREHER, Martin. Um esboço da história do protestantismo no Brasil. In: BEOZZO, José Oscar. Curso de Verão: ano III. São Paulo: Edições Paulinas, 1989, p. 101-119.

ESTADÃO CONTEÚDO. Cultos, alertas e chamados movem a “bancada da Bíblia” no Congresso. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/383moA4>. Acesso em: 13 jan. 2020.

FERNANDES, Rubem César. Novo nascimento: os evangélicos em casa, na igreja e na política. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

FILHO, Will. Feliciano é indicado por Bolsonaro para a vice-liderança do governo no Congresso. 2019a. Disponível em: <http://bit.ly/3a6DNcP>. Acesso em: 20 dez. 2019.

______. Bolsonaro não assina documento de consagração do Brasil à “Nossa Senhora”. 2019b. Disponível em: <http://bit.ly/2FNZb8V>. Acesso em: 13 jan. 2020.

FOLHA DE SÃO PAULO. Resultados da apuração para presidente no 2º turno. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/36LhPtT>. Acesso em: 13 jan. 2019.

GIUMBELLI, Emerson. Religião, estado, modernidade: notas a propósito de fatos provisórios. Estudos Avançados, v. 18, n. 52, p. 47-52, 2004.

______. “Minorias religiosas”. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (Orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006, p. 229-247.

GOMES, Edlaine Campos. A era das catedrais da IURD: a autenticidade em exibição. 219f. Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2004.

GOMES, Wilson. Nem anjos nem demônios. In: ANTONIAZZI, Alberto (Org.). Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 225-270.

GUTIERREZ, Carlos. “Igreja Universal e política: controvérsia em torno do secularismo”. In: MONTERO, Paula (Org.). Religiões e controvérsias públicas: experiências, práticas sociais e discursos. São Paulo: Editora Terceiro Nome; Campinas: Editora Unicamp, 2015, p. 49-74.

HABERMAS, Jurgen; TAYLOR, Charles. Dialogue: Jurgen Habermas and Charles Taylor. In: BUTLER, Judith et al. (Orgs.). The power of religion in the public sphere. New York: Columbia University Press, 2011, p. 60-69.

JARDIM, Lauro. Bolsonaro muda horário de culto no Planalto por causa do Flamengo. 2019. Disponível em: <https://glo.bo/2TmO5Qa>. Acesso em: 13 jan. 2020.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e pentecostais: adesão religiosa na esfera familiar. São Paulo: ANPOCS, 1996.

______. Olhando as mulheres pentecostais através do espelho. In: VALLA, Vítor Vincent (Org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, p. 79-90.

______. Evangélicos e as eleições de 2002 no Rio de Janeiro: as disputas pelo poder legislativo em perspectiva. In: BURITY, Joanildo; MACHADO, Maria das Dores Campos (Orgs.). Os votos de Deus: evangélicos, política e eleições no Brasil. Recife: Massangana, 2006, p. 91-117.

MAFRA, Clara. Distância territorial, desgaste cultural e conversão pentecostal. In: ALMEIDA, Ronaldo; MAFRA, Clara (Orgs.). Religiões e cidades: Rio de Janeiro e São Paulo. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2009, p. 69-89.

______. Como o Espírito Santo educa a atenção? In: STEIL, Carlos Alberto; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura (Orgs.). Cultura, percepção e ambiente: diálogos com Tim Ingold. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2012, p. 87-102.

MANNHEIM, Karl. O significado do conservantismo. In: FORACCHI, Maria Alice (Org.). Karl Mannheim: Sociologia. São Paulo: Ática,1982, p. 107-136.

MARIA, Rafael Arcanjo de. Bolsonaro na canção nova com Jonas Habib e Luzia Santiago. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/36QPBho>. Acesso em: 13 jan. 2020.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999.

______. Laicidade à brasileira: católicos, pentecostais e laicos em disputa na esfera pública. Civitas, v.11, n. 2, p. 238-258, 2011.

MARIANO, Ricardo; ORO, Ari Pedro. Eleições 2010: religião e política no Rio Grande do Sul e no Brasil. Debates do NER, n. 18, p. 11-38, 2010.

MARINI, Luisa; CARVALHO, Ana Luiza de. Renovada, bancada evangélica chega com mais força no próximo Congresso. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/380nmwJ>. Acesso em: 13 jan. 2020.

MARIZ, Cecília Loreto. Alcoolismo, gênero e pentecostalismo. Religião e Sociedade, v. 16, n. 3, p. 80-93, 1994a.

______. Libertação e ética: uma análise do discurso dos pentecostais que se recuperaram do alcoolismo. In: ANTONIAZZI, Alberto (Org.). Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994b, p. 204-224.

______. A Teologia da batalha espiritual: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, n. 47, p. 33-48, jan./jun. 1999.

MIRANDA, Júlia. Estado laico no Brasil: entre sofismas e ambigüidades. Cultura y Religión, v. 7, n. 2, p. 69-85, 2013.

MONTERO, Paula. Religião, pluralismo e esfera pública no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, n. 74, p. 47-65, 2006.

______. Religião cívica, religião civil, religião pública: continuidades e descontinuidades. Debates do NER, v. 1, n. 33, p. 15-39, 2018.

NOGUEIRA, Ítalo. Não cabe mais político com dimensão carnavalesca, afirma Marcelo Crivella. 2019. Disponível em: <http://bit.ly/3a0UKFy>. Acesso em: 12 jan. 2020.

PAINS, Clarissa. “Menino veste azul e menina veste rosa”, diz Damares Alves em vídeo. 2019. Disponível em: <https://glo.bo/3a5cBuV>. Acesso em: 13 jan. 2020.

PIERUCCI, Antonio Flávio. Representantes de Deus em Brasília: a bancada evangélica na Constituinte. Ciências Sociais Hoje, n. 11, p. 104-132, 1989.

RABELLO, Nestor. Bolsonaro visita Catedral de Brasília, ajoelha-se e faz oração. 2020. Disponível em: <http://bit.ly/386xBQr>. Acesso em: 13 jan. 2020.

ROCHA, André Ítalo. Bolsonaro recebe unção de Edir Macedo e bispo diz que presidente “vai arrebentar”. 2019. Disponível em: <http://bit.ly/2tUe86z>. Acesso em: 13 jan. 2020.

SANCHIS, Pierre. O repto pentecostal à cultura católico-brasileira. In: ANTONIAZZI, Alberto (Org.). Nem Anjos nem Demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 34-63.

TADVALD, Marcelo. A reinvenção do conservadorismo: os evangélicos e as eleições federais de 2014. Debates do NER, n. 27, p. 259-288, 2015.

TERRA. Bienal do Livro do Rio, Crivella, “Vingadores” e censura: saiba o que aconteceu. 2019. Disponível em: <http://bit.ly/3802rdj>. Acesso em: 29 dez. 2019.

TREVISAN, Janine. A Frente Parlamentar Evangélica: força política no Estado laico brasileiro. Numen, v. 16, p. 29-57, 2013.

VALFRÉ, Vinícius. Em discurso, Bolsonaro dá a palavra a Magno Malta, que faz oração. 2018. Disponível em: <http://bit.ly/2NCuO9V>. Acesso em: 13 jan. 2019.

WARTH, Anne; FERNANDES, Adriana. Bolsonaro quer subsidiar conta de luz de igrejas. 2020. Disponível em: <http://bit.ly/2tdrpHr>. Acesso em: 13 jan. 2020.

Publicado
2020-01-21