O fim da Ayahuasca? (pelo menos como conheci a bebida e seu uso nos anos 1980s): saberes e transformações

Palavras-chave: Ayahuasca, Religiões ayahuasqueiras, Transformações, Substância

Resumo

Este artigo é uma contribuição para a reflexão sobre os desdobramentos das relações entre saberes tradicionais, plantas, substâncias, ciência e mercado. A motivação é pensar as transformações em relação à ayahuasca desde os anos 1980s. Assim, problematiza aspectos e implicações da expansão do uso da ayahuasca, especialmente com foco no campo do que tem sido chamado religiões ayahuasqueiras. Analisa as relações entre a expansão do uso da ayahuasca e suas implicações contemporâneas, particularmente em relação à medicina alopática e a conversão dos participantes destas religiões de coletores para agricultores. Esta questão implica em pensar uma seleção de plantas, de homogeneização das propriedades biofarmacológicas da substância, uma reificação que se desdobra num aspecto controverso do ponto de vista etnofarmocológico. Também nos desdobramentos do uso da agricultura numa seleção dos efeitos e assim das experiências com a substância.

Referências

ALVERGA, Alex Polari de. O livro das mirações. Rio de Janeiro: Editora Record, 1984.

BURROUGHS, William; GINSBERG, Allen. Cartas do Yagé. Porto Alegre: L&PM,1984.

COE II, Michael Anthony. Theories and major hypothesis in ethnobotany: cultural keystone species, utilitarian redundancy, ethnobotany of the Shipibo-Konibo, and effects of harvest. 78f. Doutorado em Botany-ethnobotany track (ecology, evolution, and conservation biology) pela University of Hawaii at Manoa. Honolulu, 2018.

EHRENBERG, Margaret. Women in prehistory. London: British Museum Publications, 1989.

FRÓES, Vera. História do povo de Juramidam: a cultura do Santo Daime. Manaus: Suframa, 1986.

GOULART, Sandra; LABATE, Beatriz. Da Amazônia ao norte global e de volta: as várias Ayahuascas da II Conferência Mundial da Ayahuasca. Congreso de la Asociación Latinoamericana de Antropologia. Anais… Bogotá, 2017, p. 1-23.

GOW, Peter. Cinema da floresta. Revista de Antropologia, v. 38, n. 2, p. 37-54, 1995.

GROISMAN, Alberto. “Eu venho da floresta”: ecletismo e práxis xamânica daimista no Céu do Mapiá”. 282f. Mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1991.

GROISMAN, Alberto. Eu venho da floresta. Florianópolis: EdUFSC, 1999.

GROISMAN, Alberto. Santo Daime in the Netherlands: an anthropological study of a newworld religion in a European setting. 317f. Doutorado em Social Anthropology pela University of London. Londres, 2000.

GROISMAN, Alberto. The new furnace: science, technology, plasticity and religious life. In: PALMISANO, Stefania; PANOFINNO, Nicola (Eds.). Invention of tradition and syncretism in contemporary religions: sacred creativity. Cham: Springer, 2017.

GROISMAN, Alberto. "Eles pensam que vem estudar o Daime. De fato, vem conhecer a si mesmos": sobre caminhos, descaminhos e inteligibilidades antropológicas. ResearchGate. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3djSDyU. Acesso em: 20 jan. 2020.

HOEHNE, Frederico Carlos. Plantas e substâncias vegetais tóxicas e medicinais. São Paulo: Graphicars,1939.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 2009.

LEITE, Marcelo. Pesquisadores reagem a patentes de drogas psicodélica extraídas de fungos. Folha de S. Paulo. 23 dez. 2018. Disponível em: https://bit.ly/30U0wG9. Acesso em: 20 jan. 2020.

MORTON, Conrad Vernon. Notes on yagé, a drug plant of southeastern Colombia. Journal of the Washington Academy of Sciences, v. 21, n. 20, p. 485-488, 1931.

NICHOLAS, Eduardo. História das marcas: como surgiu a Coca-Cola. Webinsider. 2009. Disponível em: https://bit.ly/34KdJ5v. Acesso em: 20 jan. 2020.

OTT Jonathan. Ayahuasca analogues: pangaen entheogens. Kennewick: Jonathan Ott Books, 1994.

PEREIRA, Marta; MELLO, Samantha de. Ayahuasca: commerce équitable for the empowerment and protection of indigenous people's intellectual property rights. Revista Brasileira de Direito Animal, v. 14, n. 3, p. 20-41, set./dez. 2019.

SILVA, Clodomir Monteiro da. O Palácio de Juramidan: o Santo Daime, um ritual de transcendência e despoluição. 194f. Mestrado em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 1983.

SPRUCE, Richard. Notes of a botanist on the Amazon & Andes: being records of travel on the Amazon and its tributaries, the Trombetas, Rio Negro, Uaupés, Casiquiari, Pacimoni, Huallaga, and Pastasa; as also to the cataracts of the Orinoco, along the eastern side of the Andes of Peru and Ecuador, and the shores of the Pacific, during the years 1849-1864. London: Macmillan,1908.

STANDISH, Leanna. Can and should Ayahuasca become part of western medicine? Kaphi. 26 maio 2019. Disponível em: <https://bit.ly/30T0zBY>. Acesso em: 20 jan. 2020.

STAUB, Ênio. Entrevista concedida a Alberto Groisman. Florianópolis, dez. 2011.

WISER, Glenn. U.S. patent and trademark office reinstates Ayahuasca patent flawed decision declares open season on resources of indigenous peoples. CIEL. 25 jun. 2001. Disponível em: https://www.ciel.org/wp-content/uploads/2015/06/PTODecisionAnalysis.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

Publicado
2021-01-07