Formação de professores de línguas em contexto de internacionalização

Palavras-chave: Internacionalização, Formação de professores, Idiomas sem Fronteiras (IsF), Inglês

Resumo

Investigar como a formação de professores em contextos mercadológicos se realiza é essencial para empreendermos práticas que operem na educação de indivíduos não alienados. Assim sendo, neste trabalho buscamos compreender quais aspectos da formação de professores, em contextos de internacionalização, são tratados nos resumos de trabalhos apresentados em dois eventos da área de linguística aplicada, sendo um deles internacional e um latino americano. Deste modo, visamos colaborar com o panorama de pesquisas que tratam sobre formação de professores em contextos de internacionalização. Nossa análise foi pautada na análise léxico-semântica desses resumos para compreender quais os sentidos dados à formação de professores no contexto do programa Idioma sem Fronteiras (IsF). Os resultados apontam que a maioria dos trabalhos que tratam de professores em formação inicial está em consonância com temas já abordados na formação de professores, e também destacam questões ainda não exploradas nessa área.

 

 

 

Referências

ALTBACH, Philip. Knowledge and education as international commodities: the collapse of the common good. Current Issues in Catholic Higher Education, v. 22, p. 2-5, maio/jun. 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1995.

BERNAT, Eva. Towards pedagogy of empowerment: the case of “impostor syndrome” among pre-service non-native speaker teachers in TESOL. ELTED, v. 11, p. 1-8, 2008.

BRASIL. Portaria Normativa n. 105, de 24 de maio de 2012. Diário Oficial da União. 25 maio 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2xymZgx>. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Portaria n. 973, de 14 de novembro de 2014: institui o programa Idiomas sem Fronteiras e dá outras providências. Diário Oficial da União. 17 nov. 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2SCIGDv>. Acesso em: 20 jan. 2018.

CALVO, Luciana Cabrini Simões. Reflexões sobre uma comunidade de prática constituída a partir das interações de formadoras de professores de inglês em um grupo de estudos. 192f. Doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2013.

CHANG, Benjamin. Building a higher education pipeline: sociocultural and critical approaches to “internationalisation'” in teaching and research. HKTC Journal, v. 16, p. 1-24, 2017.

CLAFPL. VII Congresso Latino-americano de Formação de Professores de Línguas. ANPOLL. 17 mar. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2Z1WyLt>. Acesso em: 14 fev. 2020.

CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DIAS SOBRINHO, José. Dilemas da educação superior no mundo globalizado: sociedade do conhecimento ou economia do conhecimento? São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

DEARDEN, Julie. English as a medium of instruction: a growing global phenomenon. Oxford: University of Oxford, 2014.

DEL ROIO, Marcos. Gramsci e a emancipação do subalterno. São Paulo: Editora UNESP, 2018.

FINARDI, Kyria Rebeca; GUIMARÃES, Felipe Furtado; MENDES, Ana Rachel. Reflecting on Brazilian higher education (critical) internationalization. Revista Internacional de Educação Superior, v. 6, p. 1-23, 2020.

FINARDI, Kyria Rebeca; GUIMARÃES, Felipe. Internacionalização, rankings e publicações em inglês: a situação do Brasil na atualidade. Estudos em Avaliação Educacional, v. 28, n. 68, p. 600-626, 2017.

FINARDI, Kyria Rebeca; SANTOS, Jane Meri; GUIMARÃES, Felipe. A relação entre línguas estrangeiras e o processo de internacionalização: evidências da coordenação de letramento internacional de uma universidade federal. Interfaces Brasil/Canadá, v. 16, n. 1, p. 233-245, 2016.

GIMENEZ, Telma. English as a global language and the internationalization of universities. In: BASURTO-SANTOS, Nora; CÁRDENAS, Melba Libia (Eds.). Investigaciones sin fronteras: new and enduring issues in foreign language education. Research without borders: temas nuevos y perdurables en lenguas extrangeras. México: Universidad Veracruzana, 2016, p. 157-170.

GIMENEZ, Telma; PASSONI, Taisa Pinetti. Políticas linguísticas e suas consequências não planejadas: o programa “Inglês Sem Fronteiras” e suas repercussões nos cursos de Letras. Caleidoscópio, v. 14, n. 1, p. 115-126, 2016.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

HILL, Christopher; HELL, Stefan; VAN CAUTER, Kevin Internationalizing higher education in Cambodia, Lao PDR, Myanmar, and Viet Nam: challenges and approaches. Studies in Higher Education. 21 out. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/2AkLnmG>. Acesso em: 14 mar. 2020,

HOLLIDAY, Adrian. Native-speakerism: taking the concept forward and achieving cultural belief. In: SWAN, Anne; ABOSHIHA, Pamela; HOLLIDAY, Adrian (Eds.). (En)countering native-speakerism: global perspectives. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2015, p. 11-25.

IANNI, Octavio. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização brasileira. 2010.

JENKINS, Jennifer. World Englishes. London: Routledge, 2009

KUMARAVADIVELU, B. Critical language Pedagogy, a postmethod perspective on English Language teaching. World Englishes, v. 22, n. 4, p. 539-550, 2003.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne. Situated learning: legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991.

MARSON, Marilice Zavagli. Ensino de Inglês e a internacionalização do ensino superior: percepções sobre o programa “Paraná fala Inglês” na UEL. 115f. Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2017.

MATEUS, Elaine. Atividade de aprendizagem colaborativa e inovadora de professores: ressignificando as fronteiras dos mundos universidade-escola. 327f. Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2005.

MIGNOLO, Walter. Local Histories/Global Designs: essays on the coloniality of power, subaltern knowledges and border thinking. Princeton: Princeton University Press, 2000.

MOROSINI, Marília Costa. Internacionalização na produção de conhecimento em IES brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em revista, v. 27, n. 1, p. 93-112, 2011.

ORTIZ, Renato. Mundialização: saberes e crenças. São Paulo, Brasiliense, 2006.

PETRECHE, Célia Regina Capellini; SENEFONTE, Fábio Henrique Rosa. The internationalization of UENP: realities and future prospects. In: GIMENEZ, Telma et al. (Eds.). Language issues in a global world: insights from Brazil. Londrina: UEL, 2017, p. 13-30.

PASSONI, Taisa Pinetti. O Programa Inglês sem Fronteiras como política linguística: um estudo sobre as ideologias da língua inglesa no âmbito da internacionalização do ensino superior brasileiro. 278f. Doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2018.

SAVIANI, Dermeval. As teorias da educação e o problema da marginalidade. In: SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. São Paulo: Autores Associados, 1982, p. 15-45.

STEIN, Sharon et al. Towards different conversations about the internationalization of higher education. Comparative and International Education/Éducation comparée et internationale, v. 45, n. 1, p. 1-18, 2016.

STEIN, Sharon. Critical internationalization studies at an impasse: making space for complexity, uncertainty, and complicity in a time of global challenges. Studies in Higher Education. 23 dez. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/2LrNjMD>. Acesso em: 14 mar. 2020.

VAVRUS, Frances; PEKOL, Amy. Critical internationalization: moving from theory to practice. FIRE: Forum for International Research in Education, v. 2, n. 2, p. 5-21, 2015.

VILELA, Mário. Estudos de lexicologia do português. São Paulo: Livraria Almedina, 1994.

WENGER, Etienne. Communities of practice: learning, meaning, and identity. New York: Cambridge University Press, 1998.

Publicado
2020-06-05