Política psiquiátrica e agência religiosa: notas sobre caixas-pretas, o lúdico e a noção de in(ter)venção em saúde mental

  • Alberto Groisman Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Práxis psiquiátrica, práxis terapêutica, agência religiosa, in(ter)venção.

Resumo

Este artigo reflete sobre complexidades e caixas-pretas como Bruno Latour elaborou, aqui para as políticas de saúde mental no Brasil. Caixas-pretas são ‘máquinas’ que não se consegue destrinchar, panaceia de complexidades. O que abordo é uma caixa-preta dos estudos, e como decorrência, da intervenção, em saúde mental. Discuto a (des)articulação deletéria entre atitude e conduta a partir de um olhar semantizado pelas noções de práxis psiquiátrica, práxis terapêutica e agência religiosa. O ponto de partida digamos explorativo da reflexão é considerar que há nesta (des)articulação um regime estabelecido por inconsistências empíricas e epistemológicas, condicionado pelo jogo que chamei in(ter)venção, partindo da contribuição de Roy Wagner, e para considerar que intervenção e invenção são dispositivos articulados e inseparáveis.

Referências

ANDRADE, Ana Paula Müller de. Sujeitos e(m) movimentos: uma análise crítica da reforma psiquiátrica brasileira na perspective dos experientes. 208f. Doutorado em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2012.
CLAMOTE, Telmo Costa. Entre pluralismo médico e pluralismo terapêutico: contributos para a revisão de uma narrativa sociológica. In: Congresso Português de Sociologia, 2008. Anais... Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2008, p. 1-12.
FOUCAULT, Michel. Doença mental e Psicologia. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 2016.
LÉVI-STRAUSS, Claude. A eficácia simbólica. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975, p. 215-236.
______. Tristes trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
MAGNANI, Jose Guilherme. Doença mental e cura na umbanda. Teoria e Pesquisa, n. 41, p. 1-19, jan./jun. 2002.
MONTERO, Paula. Da doença a desordem: a magia na umbanda. Rio de Janeiro: Graal, 1985.
RODRIGUES, José Carlos. Tabu da morte. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.
TURNER, Victor. Floresta de símbolos: aspectos do ritual Ndembu. Niterói: EdUFF, 2005.
WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.
Publicado
2019-09-17
Seção
Dossiê: Religião e saúde: novos arranjos