Entre cruzes e flechadas: processos de adoecimento e cura a partir das rezadeiras Pankararu

  • Arianne Rayis Lovo Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Palavras-chave: Doença, cura, xamanismo, rezadeira Pankararu.

Resumo

Buscamos apresentar, de modo ainda incipiente, processos de adoecimento e cura a partir das rezadeiras Pankararu que habitam a cidade de São Paulo, no Real Parque, e a aldeia Brejo dos Padres, na Terra Indígena Pankararu, em Pernambuco. Noções como flechada, vento caído, entre outros, nos apontam para um entendimento da doença como um desequilíbrio social, associada a um elemento cósmico e ecológico, envolvendo a relação entre humanos e outras entidades, como mortos, encantados, inimigos. Nesse sentido, a pesquisa se insere nos debates acerca de processos de formação da pessoa, saúde e xamanismo, buscando compreender aspectos da corporalidade, noções de doença e cura.

Referências

Entrevista
ALEXANDRE, Josivete. Entrevista concedida a Arianne Rayis Lovo em 16 mar. 2015.
PANKARARU, Leidi. Entrevista concedida a Arianne Rayis Lovo em 15 abr. 2016.
SILVA, João Gomes. Entrevista concedida a Arianne Rayis Lovo em 06 mar. 2015.

Referências
ALBUQUERQUE, Marcos Alexandre dos Santos. O regime imagético Pankararu: tradução intercultural na cidade de São Paulo. 422f. Doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2011.
ARRUTI, José Maurício Paiva Andion. O reencantamento do mundo: trama histórica e arranjos territoriais Pankararu. 217f. Mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1996.
ASSUMPÇÃO, Karine. Negociando curas: um estudo das relações entre indígenas e profissionais do Projeto Xingu. 190f. Mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo. Guarulhos, 2014.
CUNHA, Manuela Carneiro da. Pontos de vista sobre a floresta amazônica: xamanismo e tradução. Mana, v. 4, n. 1, p. 7-23, 1998.
CUNHA, Maximiliano Carneiro da. A música encantada Pankararu: toantes, torés, ritos e festas na cultura dos índios Pankararu. 142f. Mestrado em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 1999.
CHAUMEIL, Jean-Pierre. Ver, saber, poder: Chamanismo de los yagua de la Amazonía peruana. Lima: IFEA/CAAAP/CAEA-CONICET, 1998.
CIMI. Violência contra posseiros ocupantes da TI Pankararu é inaceitável e coloca indígenas em risco. 14 set. 2018. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.
COLPRON, Anne-Marie. Monopólio masculino do xamanismo amazônico: o contra-exemplo das mulheres xamã shipibo-conibo. Mana, v. 11, n. 1, p. 95-128, abr. 2005.
DANTAS, Beatriz; SAMPAIO, José Augusto; CARVALHO, Maria Rosário. Os povos indígenas no Nordeste brasileiro: um esboço histórico. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal de Cultura, FAPESP, 1992, p. 431-456.
DARIO, Rossano Fábio. Uso de plantas da caatinga pelo povo indígena Pankararu no Estado de Pernambuco, Brasil. Revista Pau dos Ferros, v. 8, n. 1, p. 60-76, jan./jun. 2018.
ESTANISLAU, Bárbara. A eterna volta: migração indígena e Pankararu no Brasil. 106f. Mestrado em Demografia pela Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2014.
GALLOIS, Dominique. A categoria “doença de branco”: ruptura ou adaptação de um modelo etiológico indígena? In: BUCHILLET, Dominique (Org.). Medicinas tradicionais e medicina ocidental na Amazônia. Belém: MPEG/ Edições CEJUP, 1991, p. 175-206.
GIBERTI, Andrea Cadena. Nascendo, encantando e cuidando: uma etnografia do processo de nascimento nos Pankararu de Pernambuco. 196f. Mestrado em Ciências pela Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.
HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, v. 5, n. 5, p. 7-41, 2009.
INGOLD, Tim. Being alive: essays on movement, knowledge and description. London: Routledge, 2011.
LANGDON, Esther Jean (Org.). Xamanismo no Brasil: novas perspectivas. Florianópolis: Editora da UFSC, 1996.
LANGDON, Esther Jean. A construção sociocultural da doença e seu desafio para a prática médica. In: BARUZZI, Roberto; JUNQUEIRA, Carmen (Orgs.). Parque Nacional do Xingu: saúde, cultura e história. São Paulo: Terra Virgem, 2005, p. 115-133.
LÉVI-STRAUSS, Claude. O feiticeiro e sua magia: antropologia estrutural. 6 ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.
LOPES, Rafael da Cunha. Cura encantada: medicina tradicional e biomedicina entre os Pankararu do Real Parque em São Paulo. 140f. Mestrado em Ciências pela Universidade pela Federal de São Paulo. São Paulo, 2011.
LOVO, Arianne Rayis. “Lá, sendo o lugar deles, é também o meu lugar”: pessoa, memória e mobilidade entre os Pankararu. 132f. Mestrado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2017.
MAIZZA, Fabiana. De mulheres e outras ficções: contrapontos em antropologia e feminismo. Revista Ilha, v. 19, n. 1, p. 103-135, jun. 2017.
MATTA, Priscila. Dois elos da mesma corrente: uma etnografia da Corrida do Umbu e da Penitência entre os Pankararu. 203f. Mestrado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo. São Paulo, 2005.
MOTA, Clarice Novaes. Sob as ordens da Jurema: o xamã Kariri-Shokó. In: LANGDON, Ester (Org.). Xamanismo no Brasil: novas perspectivas. Florianópolis: Editora da UFSC, 1996, p. 267-295.
NASCIMENTO, Solange Pereira. O feminino Sateré-Mawé e suas manifestações simbólicas na Amazônia. 176f. Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas. Manaus, 2016.
RIBEIRO, Rosymeri. O mundo encantado Pankararu. 122f. Mestrado em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 1992.
SÁEZ, Óscar Calavia. Xamanismo nas terras baixas: 1996-2016. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais. n. 87, p.15-40, set./dez. 2018.
SEREGUZA, Lauriene. Cosmos, corpos e mulheres Kaiowa e Guarani: de Aña à Kuña. 196f. Mestrado em Antropologia pela Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, 2013.
Publicado
2019-09-17
Seção
Dossiê: Religião e saúde: novos arranjos