"Atualizando a tradição": sobre casas de saúde no Baixo Amazonas

  • Juliana Cardoso Fidelis Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Palavras-chave: Casas de saúde, tradição, atualização.

Resumo

Neste artigo comentarei sobre a noção de tradição para duas casas de saúde alternativa: Grupo Conquista de Ervas Medicinais e o Grupo Itauajuri Ervas, no Oeste do Pará. Elas foram criadas pela Pastoral da Saúde da Diocese de Santarém por meio do “Projeto pela evangelização”, há 25 anos, e tiveram como objetivo levar tratamentos para a população rural, mas hoje atendem principalmente a urbana. Os tratamentos “tradicionais” que oferecem foram sendo elaborados a partir de levantamentos de práticas locais, mas também no diálogo com concepções médicas, remédios alopáticos, “padrões” sanitários. Nessa combinação, a eficácia dos cuidados é remetida à tradição dos levantamentos comunitários, mas também à atualização de suas práticas.

Referências

Entrevistas
COSTA, Maria Antônia da. Entrevista concedida a Juliana Cardoso Fidelis em 20 abr. 2015.
LIMA, Deuzimar Martins de. Entrevista concedida a Juliana Cardoso Fidelis em 02 mar. 2013.

Referências
CUNHA, Manuela Carneiro da. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
FIDELIS, Juliana Cardoso Fidelis. Por dentro da rede: circuito de trocas e reciprocidades na promoção de saúde no Baixo Amazonas. 121f. Bacharelado em Antropologia pela Universidade Federal do Oeste do Pará. Santarém, 2016.
GALVÃO, Eduardo. Santos e visagens. São Paulo: Editora Nacional, 1976.
HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora da Unesp, 2000.
LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 1994.
LÉVI-STRAUSS, Claude. A ciência do concreto. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 2012, p.15-50.
MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
RIBEIRO, Palmira Margarida Ribeiro da Costa. Práticas de cura popular: uso de plantas medicinais e fitoterapia no Ponto de Cultura “Os Tesouros da Terra” e na Rede Fitovida na região serrana-Lumiar/Rio de Janeiro (1970-2010). 133f. Mestrado em História das Ciências e da Saúde pela Casa de Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, 2014.
RODRIGUES, Mariana Leal. Folhas e curas em imagens: a circulação do conhecimento no Rio de Janeiro e na Paraíba. 272f. Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2013.
VALLA, Victor Vincent. Pobreza, emoção e saúde: uma discussão sobre pentecostalismo e saúde no Brasil. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 63-75, jan./abr. 2000.
WAWZYNIAK, João Valentin. Assombro de olhada de bicho: uma etnografia das concepções e ações em saúde entre ribeirinhos do baixo rio Tapajós, Pará – Brasil. 235f. Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2008.
TONIOL, Rodrigo. Atas do espírito: a Organização Mundial da Saúde e suas formas de instituir a espiritualidade. Anuário Antropológico, n. 2, p. 267-299, set./dez. 2017.
VAN GENNEP, Charles-Arnold Kurr. Os ritos de passagem. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
Publicado
2019-09-17
Seção
Dossiê: Religião e saúde: novos arranjos