Arranjos entre religião, sexualidade e saúde mental: concepções e experiências de mulheres muçulmanas

  • Camila Motta Paiva Universidade de São Paulo (USP)
  • Francirosy Campos Barbosa Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Mulheres muçulmanas, concepções de saúde, sexualidade, saúde mental.

Resumo

Fez-se, para a composição deste artigo, um recorte de duas etnografias conduzidas pelas autoras, ambas inseridas na temática mais ampla da saúde e bem-estar islâmicos. A primeira delas, já concluída, buscou compreender o ponto de vista islâmico acerca do sexo; a segunda, em andamento, tem como objetivo acessar o discurso hegemônico islâmico sobre questões de saúde mental, dialogando com mulheres muçulmanas sobre suas experiências de sofrimento. Neste artigo, busca-se destacar o fio condutor que nos faz entender uma etnografia como desdobramento da anterior; a saber: a emergência de diferentes concepções de saúde nas narrativas das mulheres muçulmanas brasileiras. O Islã é entendido como uma religião que preza pela saúde de homens e mulheres. A compreensão feita sobre a saúde é holística, pois engloba necessariamente os componentes físicos, mentais e espirituais. Para além da dimensão corporal, há a dimensão psíquica e sagrada da sexualidade; semelhantemente, não é possível ignorar a forte presença da dimensão espiritual ao se tratar da temática mental: ao falar de saúde no Islã, tudo se conecta.

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. Do Muslim women need saving? Cambridge: Harvard University Press, 2013.
AL-JAUZIYAH, Ibn Qayyim. Healing with the Medicine of the Prophet. 2 ed. Riyadh: Darussalam, 2003.
ALCORÃO. O significado dos versículos do Alcorão Sagrado com comentários. 14 ed. São Paulo: Marsam Editora Jornalística, 2009.
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Mental health disparities: muslim americans. 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2019.
BAHAMMAM, Fahd Salem. Guia para o novo muçulmano. Riyadh: Modern Guide, 2014.
BARBOSA, Francirosy Campos. Performances islâmicas em São Paulo: entre arabescos, luas e tâmaras. São Paulo: Terceira Via, 2017.
BARBOSA, Francirosy Campos; PAIVA, Camila Motta. Sexo/prazer no Islam é devoção. Religião e Sociedade, v. 37, n. 3, p. 198-223, set./dez. 2017.
BARBOSA-FERREIRA, Francirosy Campos. A centralidade do corpo no Islã. ICArabe. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2019.
______. Quando os sentidos são bons para pensar: reflexões sobre os muçulmanos e a sua entrega a Allah. Ponto Urbe, v. 4, n. 1, p. 1-15, 2009.
BOUHDIBA, Abdelwahab. A sexualidade no Islã. São Paulo: Globo, 2006.
CERQUEIRA-SANTOS, Elder; KOLLER, Sílvia Helena; PEREIRA, Maria Teresa Lisboa Nobre. Religião, saúde e cura: um estudo entre neopentecostais. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 24, n. 3, p. 82-91, 2004.
CFP. Transexualidade não é transtorno mental, oficializa OMS. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2019.
DE SONDY, Amanullah. The crisis of Islamic masculinities. New York: Bloomsbury, 2013.
DEMIRCAN, Ali Riza. Sexual life according to Islam. Los Gatos: Smashwords, 2011.
DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.
DUNKER, Christian Ingo Lenz; KYRILLOS NETO, Fuad. Curar a homossexualidade?: a psicopatologia prática do DSM no Brasil. Revista Mal Estar e Subjetividade, v. 10, n. 2, p. 425-446, 2010.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989.
HELMAN, Cecil. Cultura, saúde e doença. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.
LANGDON, Esther Jean; FOLLÉR, Maj-Lis; MALUF, Sônia Weidner. Um balanço da antropologia da saúde no Brasil e seus diálogos com as antropologias mundiais. Anuário Antropológico, v. 37, n. 1, p. 51-89, 2012.
LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011.
______. A sociologia do corpo. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2007.
LIMA, Luana Baumann. Jihad(s) islâmica(s) (des)viada(s): uma (n)etnografia com muçulmanas-os inclusivas-os da França. 217f. Mestrado em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2018.
MOTTA, Cibele Cunha Lima da. Apresentação. In: GUANAES-LORENZI, Carla et al. (Orgs.). Psicologia Social e Saúde: da dimensão cultural à político-institucional. Florianópolis: ABRAPSO, 2015, p. 3-9.
NIEL, Marcelo Máximo; PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Oogun Àṣẹ: estratégias de cuidado com a saúde no Candomblé em Nova Iorque (EUA). Interface, v. 23, n. 1, p. 1-14, 2019.
OZYEGIN, Gul (Ed.). Gender and sexuality in Muslim cultures. New York: Routledge, 2016.
PRECIADO, Paul. Terror anal: apuntes sobre los primeros días de la revolución sexual. In: HOCQUENGHEM, Guy (Org.). El deseo homossexual. Santa Cruz de Tenerife: Melusina, 2009, p. 135-174.
RAHMAN, Fazlur. Health and medicine in the Islamic tradition. New York: Crossroad, 1987.
ROHDEN, Fabíola. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2001.
SCORSOLINI-COMIN, Fabio. Atenção psicológica e umbanda: experiência de cuidado e acolhimento em saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 14, n. 3, p. 773-794, 2014.
SILVA, Mário Luís Villarruel da. Hijrat Al-Nafs: narrativas fractais e tramas legais na experiência migratória forçada de muçulmanos com sexualidades dissidentes na cidade de São Paulo – direitos, discursos e memórias. 200f. Doutorado em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2019.
TEIXEIRA, Jacqueline Moraes. Corpo e sexualidade: os direitos reprodutivos na Igreja Universal do Reino de Deus. Mandrágora, v. 18, n. 18, p. 53-80, 2012.
TONIOL, Rodrigo. Espiritualidade que faz bem: pesquisas, políticas públicas e práticas clínicas pela promoção da espiritualidade como saúde. Sociedad y religión, v. 25, n. 43, p. 110-146, 2015.
WELLE, Deutsche. Áustria proíbe véu islâmico em escolas. 16 abr. 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2019.
Publicado
2019-09-17
Seção
Dossiê: Religião e saúde: novos arranjos