Passados privados, ou privados do passado? Nostalgia, in-diferença e as comemorações do Sete de Setembro brasileiro

  • Andre de Lemos Freixo
Palavras-chave: História Pública, nostalgia, dia da Independência do Brasil, ética

Resumo

Proponho pensar como funciona, que tipo de elementos são deslocados, apagados ou focalizados e, acima de tudo, que tipo de figurações são apresentadas nas celebrações oficiais (públicas) do passado brasileiro, em geral, e em particular, no discurso oficial das comemorações do Dia da Independência do Brasil (7 de setembro de 1822). Que estética é mobilizada quando o passado “brasileiro” aparece em público (oficialmente)? Argumento que esse conjunto de figurações permite identificar o que eu chamo de “estética do brasileiro”: promover uma consciência nacional (e histórica) in-diferente e etnocêntrica. A poderosa imaginação histórica mobilizada quando se trata de performances do passado brasileiro recicla anualmente os elementos estereotipados nessa estética, acionados por uma cultura histórica modernista que não lançam novos e promissores futuros, mas a celebração pública de um formato específico de nostalgia.

Referências

A PRÓXIMA VÍTIMA. Criação: Sílvio de Abreu. Direção: Jorge Fernando. Rede Globo. Rio de Janeiro. Telenovela, 1995, 203 capítulos.
A NEGAÇÃO DO BRASIL. Direção: Joel Zito de Araújo. Brasil, Ministério da Cultura: Secretaria de Audiovisual; Ford Foundation; Documentário, 2000, 92 min.
ABREU, João Capistrano de. Capítulos de história colonial. 2 ed. Rio de Janeiro: Edição da Sociedade Capistrano de Abreu; Livraria Briguiet, 1934.
ANDRADE, Oswald. Manifesto da Poesia Pau-Brasil; Manifesto Antropófago; e o Rei da Vela. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
BEVERNAGE, Berber. História, memória e violência de Estado: tempo e justiça. Serra: Editora Milfontes; Mariana e Editora SBTHH, 2018.
BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Exposição a Independência do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1952. [15]f, 23 cm. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.
BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Independência do Brasil: sesquicentenário, 1822-1972. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, Divisão de Publicações e Divulgação, 1972. 55p., [6]f. de estampas, il, 25 cm. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.
BOYM, Svetlana. Mal-estar na nostalgia. História da Historiografia, n. 23, p. 153-165, abr. 2017.
BRASIL. LEI N. 662, DE 06 DE ABRIL DE 1949. Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos.
BRASIL. LEI N. 5.571, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1969. Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos.
BRASIL. DECRETO N. 7, DE 20 DE NOVEMBRO DE 1934. Diário Oficial da União – Seção 1 – 24/11/1934, p. 23641 (Publicação Original).
BRESCIANI, Maria Stella M. O charme da ciência e a sedução da objetividade: Oliveira Vianna entre intérpretes do Brasil. 2 ed. São Paulo: Editora Unesp, 2009.
CARVALHO, José Murilo. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a república que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
CASANOVA, Pablo González. Exploração, colonialismo e luta pela democracia na América Latina. Rio de Janeiro: Vozes; Buenos Aires: Clacso, 2002.
CERTEAU, Michel de. A escrita da História. 6 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.
CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Campanha de canudos. In: SANTHIAGO, Silviano (Org.). Intérpretes do Brasil, v. 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000, p. 193-606.
DE GROOT, Jerome. “Monuments to the past”, History Today, August 17, 2017. Ver: . Acesso em: 20 jan. 2019.
DERRIDA, Jacques. Spectres of Marx. The state of debt, the work of Mourning, and the New International. New York: Routhledge, 1994.
FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1997.
FIGUEIREDO JÚNIOR, Afonso Celso Assis (Conde de Afonso Celso). Porque me ufano do meu país? Rio de Janeiro: Editora Laemmert, 1901.
FREIXO, Andre de Lemos; ABREU, Marcelo dos Santos; MATA, Sérgio. A nostalgia como problema metahistórico: uma introdução. História da Historiografia, n. 23, p. 138-141, abr. 2017.
FREIXO, Andre de Lemos; ARAUJO, Valdei Lopes de. Prefácio. In: BEVERNAGE, Berber. História, memória e violência de Estado: tempo e justiça. Serra: Editora Milfontes; Mariana: Editora SBTHH, 2018, p. 13-22.
FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. 34 ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1998.
FUCHS, Anne. “Towards an ethics of remembering: the Walser-Bubis debate and the other of discourse”. German Quarterly, p. 235-246, 2002.
GOMES, Angela M. de Castro. História e Historiadores do Brasil: Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996.
GUIMARÃES, Lúcia M. P. Circulação de saberes, sociabilidades e linhagens historiográficas: dois congressos de História Nacional (1914-1949). In: GUIMARÃES, Manoel (Org.). Estudos sobre a escrita da História. Rio de Janeiro, 2006, p. 162-181.
GUIMARÃES, Lúcia. Limites políticos de um projeto intelectual para a integração dos povos do Novo Mundo: o Primeiro Congresso Internacional de História da América (1922). Topoi, v. 6, n. 10, p. 192-212, jan./jun. 2005.
GUIMARÃES, Lúcia M. P. Da Escola Palatina ao Silogeu: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1930). Rio de Janeiro: Museu da República, 2007.
HUTCHEON, Linda. Irony, Nostalgia and the post-modern. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2019.
INDEPENDÊNCIA OU MORTE. Direção: Carlos Coimbra. Cinedistri. Rio de Janeiro. Filme. 1972. 108 min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YFJmk1qUUmk>. Acesso em: 07 maio 2019.
INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO (IHGB). Anais do Congresso Internacional de História da América (1922). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1925.
JORNAL DO BRASIL, Primeiro Caderno, 01 de setembro de 1970, p. 5.
JORNAL DO BRASIL, Primeiro Caderno, 08 de setembro de 1970, p. 3.
JORNAL DO BRASIL, Primeiro Caderno, 30 de julho de 1970, p. 4.
JORNAL DO BRASIL, Primeiro Caderno, 31 de agosto de 1970, p. 21.
JORNAL DO BRASIL, Primeiro Caderno, 06 de setembro de 1972, p. 16.
KAMEL, Ali. Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.
LIVRO de ouro commemorativo do Centenario da Independencia do Brasil e da Exposição Internacional do Rio de Janeiro. 7 de setembro de 1822 a 7 de setembro de 1922 - 7 de setembro de 1923. Rio de Janeiro: Typ. do Annuario do Brasil, 1923. 518, CXXIIIp, 96 est. color, 2 est. color coladas, 1 est. color desd. 17 est., 37,5 cm. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.
MILL, John S. Considerations on Representative Government (1862). In: MILL, John S. Utilitarianism, Liberty and Representative Government. London: Dent, 1964, p. 178-179.
MOTTA, Marly da Silva. A nação faz 100 anos: a questão nacional no centenário da independência. Rio de Janeiro: Editora da FGV/CPDOC, 1992.
NASCIMENTO, Abdias do. Genocídio do negro brasileiro. Processo de um racismo mascarado. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016.
NASCIMENTO, Lúcio. O novo florescer da Independência: Afonso Celso e o Congresso Internacional de História da América (Rio de Janeiro, 1922). Revista Expedições, v. 8, n. 2, p. 223-244, maio/ago. 2017.
RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.
RIO DE JANEIRO (Distrito Federal). Prefeitura. Álbum da cidade do Rio de Janeiro: comemorativo do 1° centenário da Independência do Brasil, 1822-1922. Rio de Janeiro, RJ: Prefeitura, 1922, 1 v., il., ret., mapa. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.
ROMERO, Silvio. História da Literatura Brasileira. Fatores da literatura brasileira. 5 v. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1949.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
SETH, Sanjay. Razão ou raciocínio? Clio ou Shiva? História da Historiografia, n. 11, p. 173-189, abr. 2013.
TAUNAY, Affonso d’Escragnolle. Grandes vultos da Independência Brasileira. Publicação Comemorativa do Primeiro Centenário da Independência Nacional. São Paulo: Editora Companhia Melhoramentos, 1922.
VERÍSSIMO, Luis Fernando. Ver!ssimas frases, reflexões e sacadas sobre quase tudo. Organização Marcelo Dunlop. Seleção de ilustrações Fernanda Veríssimo e Fraga. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2016.
VIANNA, Oliveira. Populações Meridionais do Brasil. 2 v. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Governo do Estado do Rio de Janeiro, 1973.
Publicado
2019-05-13
Seção
Dossiê: História pública