Escola Sem Partido e o ensino de história no tempo presente

  • Edilza Joana Oliveira Fontes Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Davison Hugo Hugo Rocha Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA)
Palavras-chave: Escola Sem Partido, História do Tempo Presente, História Pública, relação professor-aluno.

Resumo

O objetivo do artigo é apresentar o PL n. 687 de 2015 e defender a tese de que o ensino de História é objeto de intervenção dos governos republicanos e como os professores de História, bem como os historiadores, incomodam quem está no poder. Neste sentido, queremos discutir os embates e os debates envolvendo o ensino de História em nosso tempo, partindo do pressuposto de que o conhecimento histórico escolar é uma leitura do passado produzida pela mediação do professor e com os alunos em sala de aula. Questionada pelo projeto em tramitação no Congresso Nacional, a profissão docente está colocada em jogo em nossa sociedade pós-moderna, cada vez mais midiatizada.

Referências

ABUD, Kátia. Formação da alma e do caráter nacional: Ensino de História na Era Vargas. Revista Brasileira de História, v. 18, n. 36, p. 103-114, 1998.
ALMEIDA, Juliene; ROVAI, Marta. Introdução à História Pública. São Paulo: Letra & Voz, 2011.
ANPUH. Nota da ANPUH-SC sobre ameaça a professores. 2019. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2019.
CAIMI, Flávia. História escolar e memória coletiva: Como se ensina? Como se aprende? In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza (Orgs.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009, p. 32-47.
CANDIDO, Antônio. The Brazilian family. In: SMITH, Lynn (Org.). Brazil: portrait of half a continent. Nova York, The Dryden Press, 1951, p. 291-312.
CONTRAPONTO. Começou a “caça” a quem for contra Bolsonaro. 29 out. 2018. Disponível em . Acesso em: 13 set. 2019.
D'ANCONA, Matthew. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. Barueri: Faro Editorial, 2018.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder no século XIX. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.
FERREIRA, Marieta. Quais as afinidades entre um mestrado profissional em ensino de história e a história pública? In: MAUAD, Ana Maria; SANTHIAGO, Ricardo; TRINDADE, Viviane Borges (Orgs.). Que história pública queremos? São Paulo: Editora Letra e Voz, 2018, p. 49-59.
FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática de Ensino de História. Campinas: Papirus, 2003.
FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1951.
FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1973.
FRIGOTTO, Gaudêncio. Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.
GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1982.
HORN, Geraldo; GERMINARI, Geyso. O ensino de História e seu currículo: teoria e método. São Paulo: Vozes, 2006.
JORNAL NACIONAL. Jair Bolsonaro (PSL) é entrevistado no Jornal Nacional. 28 ago. 2018. Disponível em . Acesso em: 13 set. 2019.
JUNQUEIRA, Rogério. “Ideologia de gênero a gênese de uma categoria política reacionária ou a promoção dos direitos humanos se tornou uma ‘ameaça a família natural’?” In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Lopes (Orgs.). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande: UFRGS, 2017, p. 25-52.
LASSO, Marixa. ¿Por qué y para quién escribimos los historiadores? 29 maio 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.
MALERBA, Jurandir. Os historiadores e seus públicos: desafios ao conhecimento histórico na era digital. Revista Brasileira de História, v. 37, n. 74, p. 135-154, 2017.
MARX, Karl. A ideologia alemã e outros escritos. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 1965.
MATTOS, Ilmar. “Mas não somente assim!” Leitores, autores, aulas como texto e o ensino-aprendizagem de História. Revista Tempo, v. 11, n. 21, p. 5-16, 2006.
MOURA, Fernanda. Não existe “ideologia de gênero”. 2018. Disponível em . Acesso em: 31 jan. 2019.
MOTTA, Rodrigo Sá. As universidades e o regime militar. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2014.
PENNA, Fernando. O Escola Sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017, p. 35-49.
PRIORE, Mary Dell. Monstros e maravilhas no Brasil Colonial. In: PRIORE, Mary Dell. Esquecidos por Deus: monstros no mundo europeu e ibero-americano (séculos XVI-XVIII). São Paulo: Companhia das Letras, 2006, p. 77-101.
PROST, Antoine. Doze lições sobre História. Belo Horizonte: Autentica, 2008.
REMOND, René. Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV, 2011.
SAMARA, Eni de Mesquita. A família brasileira. 4 ed. São Paulo: Brasiliense, 2002.
SCHIMIDT, Maria Auxiliadora; CAINELLI, Marlene. Ensinar História. São Paulo: Editora Scipione, 2009.
UOL. Bolsonaro critica cotas e nega dívida dos negros: “não escravizei ninguém”. 31 jun. 2018. Disponível em . Acesso em: 13 set. 2019.
Publicado
2019-09-17