O Patrimônio Cultural e a História Pública: observações sobre os embates contemporâneos

  • Leticia Brandt Bauer Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
  • Viviane Trindade Borges Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: Patrimônio cultural, história pública, participação cidadã

Resumo

Frente a processos muitas vezes cruéis de imposição daquilo que deve ser preservado e rememorado, pretendemos transitar por exemplos que subvertem a ordem estabelecida pelo campo do patrimônio, problematizando o patrimônio cultural à luz da História Pública. A análise de casos ocorridos no Brasil nos últimos cinco anos permite ilustrar como preservar e despertar o sentimento de identidade aparecem como premissas inerentes ao que foi instituído como patrimônio cultural. Analisaremos as instabilidades dentro desta construção, procurando problematizar atos cidadãos que escapam ao controle do poder público, atualizam os monumentos e instauram debates fundamentais para pensar a quem serve o patrimônio.

Referências

ALMEIDA. Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Orgs.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.
ALMEIDA. Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Orgs.). História pública: entre as “políticas públicas” e os “públicos da história. XVII Simpósio Nacional de História, Natal, 2013.
BAUER, Leticia. BORGES, Viviane. Outras memórias, outros patrimônios: desafios do fazer com e para os sujeitos envolvidos. In: BAUER, Leticia; BORGES, Viviane (Orgs.). História oral e patrimônio cultural: potencialidades e transformações. São Paulo: Letra e Voz, 2018.
BORGES, Viviane. A patrimonialização e suas contradições: o patrimônio prisional na França do tempo presente. Anos 90, v. 25, n. 48, p. 213-240, dez. 2018.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil [1988]. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2019.
BRASIL. Decreto lei 25, de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2019.
CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.
CANCLINI, Néstor Garcia. O patrimônio cultural e a construção do imaginário nacional. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 23, p. 95-115, 1994.
DELACROIX, Christian. A história do tempo presente, uma história (realmente) como as outras? Tempo e Argumento, v. 10, n. 23, p. 39–79, jan./mar. 2018.
FONTES, Paulo; CHALHOUB, Sidney. História Social do Trabalho, História Pública. Perseu: História, Memória e Política, v. 4, p. 217-228, 2009.
FRISCH, Michael. A Shared Authority: Essays on the Craftand Meaning of Oral and Public History. Albany: State University of New York Press, 1990.
FREIXO, André de Lemos. What drives “us” to the past? On the ethics of temporal discourses. International Family History Workshop. [Apresentação oral]. Disponível em: . Acesso: 01 fev. 2019.
GONÇALVES, Janice. Da educação do público à participação cidadã: sobre ações educativas e patrimônio cultural. Mouseion, n. 19, p. 83-97, dez. 2014.
HAMILTON, Paula. Os debates sobre memória e história: alguns aspectos internacionais. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996, p. 65-91.
HARTOG, François. Crer em história. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
HAYDEN, Dolores. The Power of place: urban land scapes as Public History. Cambridge: The Mit Press, 1997.
HOWE, Barbara; KEMP, Emory (eds.). Public History: an Introduction. Melbourne, Fl.: Krieger Publishing Co., 1986.
INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Consulta Pública sobre a Política de Patrimônio Material, Brasília, 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2019.
INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Educação Patrimonial: inventários participativos - manual de aplicação. Brasília: IPHAN, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2019.
LIDDINGTON, Jill. O que é História Pública? In: ALMEIDA. Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Orgs.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2012, p. 31–52.
LIDDINGTON, Jill; DITCHFIELD, Simon. Public History: A Critical Bibliography. Oral History, v. 33, Re-presenting the Past, 2005.
MACHADO, Diego. Marcas da profanação: versões e subversões da ordem patrimonial em Joinville-SC. 440fls. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História do Centro de Ciências Humanas e da Educação, da Universidade do Estado de Santa Catarina. Joinville, 2018a.
MACHADO, Diego. Diálogos arriscados: do direito de participação cidadã na patrimonialização ao direito cidadão de aparecer no patrimônio cultural. Fronteiras: Revista Catarinense de História, n. 32, p. 92-115, 2018b.
MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo; SANTHIAGO, Ricardo (Orgs.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.
MAUAD, Ana Maria; SANTHIAGO, Ricardo; BORGES, Viviane (Orgs.). Que história pública queremos? São Paulo: Letra e Voz, 2018.
MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. Do teatro da memória ao laboratório da história. Anais do Museu Paulista, v. 2, n. 1, p. 9-42, 1994.
MUNJERI, Dawson. Patrimonio Material e Inmaterial: de la Diferencia a la Convergencia. Museum International: Intangible Heritage, v. 221-222, p. 13-21, may 2004.
OKSMAN, Silvio. Os monumentos às bandeiras. Uma nova perspectiva. Vitruvius, ano 17, nov. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2019.
PEIXOTO, Paulo. A identidade como recurso metonímico dos processos de patrimonialização. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 70, p. 183-204, 10 dez. 2004.
PEIXOTO, Paulo. O passado ainda não começou. Funções e estatuto dos centros históricos no contexto urbano Português. Tese de doutoramento em Sociologia. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Coimbra, 2006.
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Inventário de Obras de Arte em Logradouros Públicos da Cidade de São Paulo (Monumento às Bandeiras). São Paulo, maio 2008a. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2019.
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Inventário de Obras de Arte em Logradouros Públicos da Cidade de São Paulo (Borba Gato). São Paulo, maio 2008b.Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2019.
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Inventário de Obras de Arte em Logradouros Públicos da Cidade de São Paulo. São Paulo, maio 2008c. Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2019.
RIBEIRO, Suzana; ROVAI, Marta; BONI, Marcela. Audiovisual e história oral: utilização de novas tecnologias em busca de uma história pública. Oralidades: Revista de História Oral, v. 10, p. 89-105, 2012.
REIXACH, Joan Frigolé. Inversió simbólica i identitat ètnica: una aproximació al cas de Catalunya. Quaderns de l’Institut Català d’Antropologia, n. 1, p. 3-27, 1980.
SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados: alguns comentários sobre a história pública no Brasil. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo; SANTHIAGO, Ricardo (Orgs.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p. 23–35.

Jornais e Blogs
ALVES, Felipe. Bustos de Cruz e Sousa, José Boiteux e Victor Meirelles retornam à praça 15, em Florianópolis, Portal ND+, Florianópolis, 21 set. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2019.
FOGLIATTO, Débora. Discussão sobre monumentos e pichações volta à tona após depredações na Redenção, Sul 21, Porto Alegre, 1º fev. 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2019.
FRAISSAT, Zanone. Estátua do Borba Gato e Monumento às Bandeiras são “pichados” em SP, Folha de S. Paulo, São Paulo, 30 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2019.
PORTAL G1 SC. Bustos em bronze são furtados na Praça XV, em Florianópolis, Portal G1 SC, 22 ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019.
PORTAL G1 SC. Bustos da Praça XV são recolocados no Centro de Florianópolis. Portal G1 SC, 20 set. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2019.
LOURENÇO, Júlia Antunes. Historiadores consideram irreparável e lamentável roubo de bustos da Praça XV em Florianópolis. Diário Catarinense, Florianópolis, 23 ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019.
ROVAI, Gabriela. Prefeitura de Florianópolis garante a confecção de novos bustos em bronze na Praça XV. A Notícia, Florianópolis, 23 ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2019.
SAKAMOTO, Leonardo. Ao invés de pichar, que tal remover as homenagens aos bandeirantes em SP?, Blog do Sakamoto, São Paulo, 30 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2019.
Publicado
2019-05-13
Seção
Dossiê: História pública