“Multiperspectividade” e controvérsias no documentário “Guerra do Paraguai – a nossa grande guerra”

  • Eder Cristiano de Souza Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • Alba Beatriz Salinas Benítez Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Guerra do Paraguai, multiperspectividade, indústria cultural

Resumo

O documentário “Guerra do Paraguai: a nossa grande guerra” (RUAS, 2015) aborda a história da Guerra do Paraguai, mesclando depoimentos de intelectuais e figuras públicas com a narração dos fatos, ilustrados pela dramatização/reconstituição das cenas narradas. Ao analisar esta produção, o presente artigo visa refletir sobre as formas pelas quais a indústria cultural difunde produções que se apropriam de questões históricas e constituem noções e sentidos que são partilhados socialmente. O conceito central é a multiperspectividade expressa na obra e o problema identificado relaciona-se ao fato desta inclinar-se a um relativismo simplista e criar uma visão negativa da nação paraguaia no processo histórico em questão, explicitando também inclinações ideológicas no debate historiográfico.

Referências

BARROS, José D’Assunção. Cinema-História: teoria e representações sociais no cinema. 2 ed. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.
BERGMANN, Klaus. A história na reflexão didática. Revista Brasileira de História, v. 9, n. 19, p. 29-42, set. 1989/fev. 1990.
CHIAVENATTO, Julio José. Genocídio americano: a Guerra do Paraguai. São Paulo: Brasiliense, 1984.
DAYAN, Daniel. Os mistérios da recepção. In: NÓVOA, Jorge; FRESSATO, Soleni; FEIGELSON, Kristian (Orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: Edufba; São Paulo: Ed. Unesp, 2009, p. 61-83.
DORATIOTO, Francisco. Maldita Guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
FERRO, Marc. Cinema e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
MENEZES, Paulo. Representificação: as relações (im)possíveis entre cinema documental e conhecimento. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51, p. 87-98, 2003.
NOVA, Cristiane. O cinema e o conhecimento da história. O Olho da História, v. 2, n. 3, p. 217-234, 1996.
NOVA, Cristiane. Narrativas históricas e cinematográficas. In: NÓVOA, Jorge; FRESSATO, Soleni; FEIGELSON, Kristian (Orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: Edufba; São Paulo: Ed. Unesp, 2009, p. 133-145.
POMER, León. A Guerra do Paraguai: a grande tragédia rio-platense. São Paulo: Global, 1980.
RÜSEN, Jörn. Que es la cultura historica?: reflexiones sobre uma nueva manera de abordar la historia. In: FÜSSMANN, Klaus; GRÜTTER, Heinrich Theodor; RÜSEN, Jörn (Eds.). Historische faszination: geschichtskultur heute. Keulen, Weimar y Viena: Böhlau, 1994, p. 3-26.
RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UNB, 2001.
RÜSEN, Jörn. História viva. Teoria da história III: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Ed. UNB, 2007.
SALLES, Andre Mendes. A Guerra do Paraguai na historiografia brasileira: algumas considerações. Cadernos do Aplicação, v. 27/28, p. 29-41, jan./dez. 2014/2015.
SALIBA, Elias Thomé. A produção do conhecimento histórico e suas relações com a narrativa fílmica. In: FALCÃO, Antonio Rebouçcas; BRUZZO, Cristina (Orgs.). Lições com cinema. São Paulo: FDE, 1993, p. 87-108.
SCHAFF, Adam. História e verdade. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
SOUZA, Éder C. Cinema, Cultura Histórica e Didática da História: repensar a relação entre filmes e conhecimento histórico. Revista de Teoria da História, v. 6, n. 12, p. 202-229, dez. 2014.
SOUZA, Éder C. Aprender, pensar e viver História: contribuições e questionamentos a partir de um estudo com professores e estudantes brasileiros e paraguaios. Antíteses, v. 9, n. 18, p. 18-44, jul./dez. 2016.
SQUINELO, Ana Paula. Revisões historiográficas: a Guerra do Paraguai nos Livros Didáticos brasileiros – PNLD 2011. Diálogos, v. 15, n. 1, p. 19-39, 2011.
Publicado
2019-05-13
Seção
Dossiê: História pública