Educação escolar em prisões: brechas, apostas e possibilidades

  • Elenice Maria Cammarosano Onofre Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Palavras-chave: Educação de jovens e adultos em prisões, escola na prisão, práticas educativas na prisão

Resumo

Esta sistematização ancora-se em inquietação que tem conduzido nossos estudos ao longo dos anos: o que pode fazer a educação de jovens e adultos nas prisões? Tomam-se, como material reflexivo, dados coletados em observações, conversas informais, discussões e vivências como mediadora de cursos de formação de educadores em estados brasileiros no período de 2013-2016, e em registros de visitas a espaços de privação de liberdade para jovens e adultos. Os dados que foram organizados em diários de campo nos permitem ousar estar no mundo de forma propositiva, pois indicam que as sistematizações podem se constituir em instrumental pedagógico para a produção de conhecimentos e anunciar possibilidades de uma virada pedagógica no campo da EJA em prisões.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzalez. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis: Vozes, 2014.
ARROYO, Miguel Gonzalez. O saber de si como direito ao conhecimento. In: ARROYO, Miguel Gonzalez. Currículo, território em disputa (Org.). Petrópolis: Vozes, 2011, p. 279-257.
BARCELOS, Valdo. Educação de jovens e adultos: currículos e práticas pedagógicas. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.
CAMPOS, Aline. Educação, escola e prisão: o “espaço de voz” de educandos do Centro de Ressocialização de Rio Claro/SP. 276fls. Mestrado em Educação da Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2015.
CANDAU, Vera Maria (Org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2000.
CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e cultura(s): multiculturalismo, universalismo e currículo. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Didática: questões contemporâneas. Rio de Janeiro: Forma e Ação, 2009, p. 47-62.
CARDOSO, Camila Menotti. O exercício da docência entre as grades: reflexões sobre a prática de educadores do sistema prisional do estado de São Paulo 129fls. Mestrado em Educação da Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2013.
CARVALHO, Odair França de. Entre celas e a sala de aula: um estudo sobre experiências educacionais de educadores presos no sistema prisional paulista. 279fls. Doutorado em Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2014.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: as artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.
DE MAEYER, Marc. Ter tempo não basta para que alguém se decida aprender. Em Aberto, v. 24, n. 86, p. 43-55, nov. 2011.
DE MAEYER, Marc. A educação na prisão não é uma mera atividade. Educação & Realidade, v. 38, n. 1, p. 33-49, jan./mar. 2013.
DUFOUR, Robert. A arte de reduzir cabeças: sobre a nova servidão na sociedade ultraliberal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2005.
FALKEMBACH, Elza Maria Fonseca. Sistematização, uma arte de ampliar cabeças. In: LIMA, Denise; FALKEMBACH, Elza Maria Fonseca; DUTRA, Mara Vanessa (Orgs.). Arte de ampliar cabeças: uma leitura transversal das sistematizações do PDA. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2006, p. 1-19.
FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
JULIÃO, Elionaldo Fernandes. Escola na ou da prisão? Cadernos CEDES, v. 36, p. 25-42, 2016.
JULIÃO, Elionaldo Fernandes. A ressocialização através do estudo e do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. 440fls. Doutorado em Ciências Sociais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009.
ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. A prisão: instituição educativa? Cadernos CEDES, v. 36, p. 43-59, 2016.
ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Políticas de formação de educadores para os espaços de restrição e de privação de liberdade. Revista Eletrônica de Educação, v. 7, p. 137-158, 2013.
ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Educação escolar na prisão. Para além das grades: a essência da escola e a possibilidade de resgate da identidade do homem aprisionado. 187fls. Doutorado em Educação Escolar da Universidade Estadual Paulista. Araraquara, 2002.
PAIVA, Jane. Proposições curriculares na Educação de Jovens e Adultos: emergências na formação continuada de professores baianos. In: BARBOSA, Inês (Org.). Alternativas emancipatórias em currículo. São Paulo: Cortez, 2004, p. 29-52.
PRADO, Adélia. Cacos para um vitral. São Paulo: Siciliano, 1991.
SANTOS, Boaventura de Souza. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.
SERRADO JÚNIOR, Jehu Vieira. Políticas públicas educacionais no âmbito do sistema penitenciário: aplicações e implicações no processo de (re)inserção social do apenado. 103fls. Mestrado em Educação na Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, 2009.
SILVA, Tomaz Tadeu. Os mapas culturais e o lugar do currículo numa perspectiva pós-moderna. Revista Paixão de Aprender, n. 9, p. 41-51, 1995.
STRECK, Danilo; ADAMS, Telmo; MORETTI, Cheron Zanini. Pensamento pedagógico em nossa América: uma introdução. In: STRECK, Danilo (Org.). Fontes da Pedagogia Latino-Americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 19-35.
VIEIRA, Elizabeth de Lima Gil. Trabalho docente: de portas abertas para o cotidiano de uma escola prisional. 136fls. Mestrado em Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2008.
Publicado
2019-05-13