Chamada para publicação: Tecituras do conhecimento histórico nas trilhas da autoridade compartilhada

2021-11-02

Prezad@s, seguem as informações sobre a chamada do terceiro Dossiê que será publicado em 2022!

Dossiê: Tecituras do conhecimento histórico nas trilhas da autoridade compartilhada

Submissão: 10 de dezembro de 2021 a 10 abril de 2022
Publicação: v. 14, n. 33, set./dez. 2022
Orgs: Cyntia Simioni França (Unespar), Marcelo Santos de Abreu (UFOP) e Nara Rubia de Carvalho Cunha (UFU)

O dossiê “Tecituras do conhecimento histórico nas trilhas da autoridade compartilhada” busca reunir trabalhos que se situem na fronteira entre a História Ensinada e a História Pública, compreendidas como práticas de criação da história com o público e para o público. Pretendemos conversar com professores – acadêmicos ou não – que ousam construir modos de produção de conhecimento tecido por relações dialógicas, inventivas e coletivas com diferentes públicos que se situam dentro e fora da escola. A proposta é acolhermos experiências de professores que fazem história pública em espaços educacionais e situações educacionais não formalizadas e, ainda, refletem sobre as suas práticas, de modo a inspirar a construção de processos colaborativos. Procuraremos valorizar a reflexão conjunta em torno de questões socialmente vivas no presente, como as questões de gênero, de pertencimento racial e do racismo ou das desigualdades de classe. O que se pretende é pensar que a formação histórica e seus espaços mais comuns – a universidade, a escola e as instituições de memória, como os museus – são plataformas para pensar e produzir colaborativamente um conhecimento comprometido com essas questões e que seja capaz de ultrapassar a circunscrição de seus públicos tradicionais.

A escrita desta chamada ocorre no momento que milhares de vidas estão sendo ceifadas pela pandemia da Covid-19, que nos obrigou a vivermos isolados e, assim, a reinventarmos formas de diálogo com o público. Nesse sentido, o dossiê se abre também a produções interdisciplinares que considerem os desafios de fazer história pública nesse contexto traumático.