Dossiê: “Ciência, saúde e doenças no Brasil: abordagens históricas e contemporâneas”

2018-06-25

Dossiê: Ciência, saúde e doenças no Brasil: abordagens históricas e contemporâneas

Submissão: 20 de julho a 15 de dezembro de 2020
Publicação: v. 13, n. 28, jan./abr. 2021
Org: Vanderlei Sebastião de Souza (UNICENTRO), Robert Wegner (FIOCRUZ) e Leonardo Dallacqua de Carvalho (FIOCRUZ)

Muito se tem dito e podemos sentir que nada será como antes depois da pandemia de Covid-19. De certo modo, não apenas o futuro será diferente. O passado também o será. O presente dossiê propõe, portanto, promover um diálogo entre as pesquisas históricas e as contemporâneas, discutindo, a partir de uma perspectiva interdisciplinar, as relações entre ciência, saúde e doenças no Brasil. Considerando a força com que a atual pandemia tem mobilizado governos e instituições do mundo todo, interessa-nos refletir sobre o modo como as doenças – especialmente as com potenciais epidêmicos – impactaram a sociedade em diferentes momentos da história. Ao mesmo tempo, o convite se estende aos trabalhos que procuram compreender como a sociedade, os governos, a ciência e as instituições de saúde responderam aos problemas colocados pelas epidemias, desde a formulação de políticas governamentais, de medidas médicas e de pesquisas científicas de enfrentamento das doenças, até a relação estabelecida pelos grupos sociais, a imprensa e os governos diante do impacto e das mudanças que esses eventos impõem ao mundo social, à economia e à política.

Do ponto de vista da produção acadêmica, desde os anos 1980 as abordagens teóricas e metodológicas envolvendo as discussões sobre ciência, saúde e doenças foram amplamente renovadas e diversificadas, expandindo suas análises em várias direções. De um lado, essa literatura avançou nas pesquisas sobre o papel e a atuação das instituições científicas, médicas e de saúde pública na gestão da saúde, na formulação de políticas públicas e no Enfrentamento de epidemias e outras enfermidades. Em segundo lugar, esses trabalhos investigaram a emergência das doenças como eventos históricos e sociológicos. Neste sentido, atenção especial foi dirigida à investigação a respeito das relações entre ciência, saúde e sociedade em tempos de epidemias que marcaram profundamente o campo da saúde no Brasil. Uma terceira direção envolveu as abordagens antropológicas sobre as  representações individuais e coletivas das doenças, a experiência do sofrimento, dos estigmas e da morte em diferentes contextos de emergência de doenças epidêmicas. Os trabalhos a serem publicados no dossiê dialogam com essas distintas perspectivas e sugere reflexões que contribuam tanto para o debate acadêmico quanto para as discussões públicas, buscando alternativas de intervenção na formulação de políticas no campo das ciências da saúde.

Desta maneira, o dossiê propõe analisar as doenças como eventos históricos, médicos e biológicos, bem como sociológicos e políticos com forte impacto sobre as instituições científicas, as políticas de saúde públicas e as ações governamentais em suas dimensões locais, nacionais e globais.